Comércio eletrônico avança, mas não repõe perdas em SP no 1T20

Marcello Sigwalt
null
1

Crédito: Site E-commerce

Uma alta muito bem-vinda, mas insuficiente para cobrir as perdas.

Assim pode ser definido o aumento de 15,6% das vendas do comércio eletrônico de São Paulo no primeiro trimestre do ano (1T20), em comparação com a igual período de 2019,  de acordo com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado (FecomercioSP), divulgou o Estadão.

Resultado insuficiente

Embora corresponda a um faturamento real adicional de R$ 5,5 bilhões, a participação do comércio eletrônico responde por apenas 3% das vendas totais do varejo do estado, sendo, portanto, insuficiente para repor as perdas acumuladas com o fechamento das lojas, nos últimos meses.

Análises e Resumos do mercado financeiro com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

Sem compensação

Mesmo com a perspectiva de continuidade de crescimento das vendas por plataformas eletrônicas nesse segundo trimestre do ano, elas não deverão compensar os prejuízos remanescentes.

Tíquete cai de valor

O levantamento da federação – correspondente aos oito primeiros dias da quarentena, iniciada a 24 de março – mostrou que o valor do tíquete médio (média do que se gasta numa compra online) apresentou recuo de 4,1%.

Perda de renda

Na avaliação da FecomercioSP, este declínio reflete a perda de renda das famílias paulistas, por conta do desemprego ou pela ampliação do nível de endividamento.

Baixe a planilha e faça você mesmo o rebalanceamento da sua carteira de investimentos com Renda Fixa e Variável

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos