Comércio de SP teve queda de 67% no varejo em relação a maio de 2019

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: ACSP

O comércio em São Paulo registrou queda no varejo em relação a maio do ano passado, de acordo com o Balanço de Vendas da Associação Comercial do Estado.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Marcel Solimeo, economista da ACSP, revelou que, em relação a maio de 2019 a queda foi brutal, causada principalmente pela pandemia de coronavírus.

A queda apresentada no comércio paulistano foi de 67% em maio, quando comparado ao mesmo mês do ano passado.

Os números apontaram ainda que, nos últimos 12 meses, em comparação aos 12 meses anteriores a esse período, já se registra queda de 10% na média de vendas.

Dia das Mães

Os dados divulgados nesta terça-feira (2) apontaram uma melhora média de 5% em relação a abril, puxada pelo Dia das Mães, sendo 7,6% no movimento de vendas a prazo, e 2,4% no de vendas à vista.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

Dia dos Namorados

De acordo com Solimeo, o comércio, agora, está focado no Dia dos Namorados, que também será comemorado em meio à pandemia em quase todo o País, mas deve apresentar crescimento.

“Agora, com o início da flexibilização, elas estão tentando pôr a cabeça para fora para faturar um pouco no Dia dos Namorados. Mas no ritmo atual, com aumento do desemprego e queda na renda, talvez nem isso”, comentou.

Reabertura em SP

A Associação Comercial de São Paulo revelou ainda que protocolou, junto à Prefeitura da capital paulista, recomendações para a retomada das atividades comerciais e de prestadores de serviços como medida de prevenção para conter a pandemia de coronavírus.

De acordo com o site oficial da entidade, no documento constam 8 diretrizes básicas para que os comerciantes possam receber os clientes de forma segura e responsável.

“Nossa expectativa é de que o protocolo seja rapidamente aprovado pela prefeitura para que as empresas que estão nessa fase possam começar a operar o mais rápido possível, mesmo diante de certas limitações”, afirmou. Alfredo Cotait Neto, presidente da ACSP.

“As empresas não estão aguentando mais, pois já há muito tempo passam por sérias dificuldades e a situação só piora a cada dia”, complementou.

Planilha de ações: baixe e faça sua análise para investir