Crise do coronavírus: G20 vai injetar US$ 5 tri na economia mundial

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Marcos Corrêa/Agência Brasil

Uma reunião virtual entre representantes e líederes do grupo dos 20 países mais ricos do mundo, o G20, determinou que a economia mundial receberá uma injeção de US$ 5 trilhões para amenizar os efeitos da crise do coronavírus.

“Estamos unidos contra essa ameaça comum. Vamos injetar mais de US$ 5 trilhões na economia global, como parte de política fiscal direcionada, medidas econômicas e garantias para combater impactos sociais, econômicos e financeiros da pandemia”, diz comunicado oficial, publicado pela AFP.

A reunião foi organizada pela Arábia Saudita, que está na presidência rotativa do grupo dos 20 países mais ricos do mundo. O presidente Jair Bolsonaro participou da videoconferência.

“Serão medidas imediatas e vigorosas para apoiar nossas economias, proteger trabalhadores e negócios, proteger os vulneráveis por meio de proteção social”, complementa a nota.

Proteger vidas: prioridade durante a pandemia

O documento divulgado pelos representantes das economias mais ricas do planeta também estabeleceu uma ordem de prioridades para evitar uma maior propagação do coronavírus.

Segundo os países do G20, que se propuseram a compartilhar dados epidemiológicos e de saúde, reforçar os sistemas públicos de saúde e aumentar a capacidade de produção de materiais médicos, as prioridades são, pela ordem:

  1. Proteger vidas
  2. Garantir empregos e renda às pessoas
  3. Restaurar a confiança, preservar a estabilidade financeira e reavivar o crescimento
  4. Minimizar os rompimentos do comércio
  5. Ajudar os países que mais precisem de assistência
  6. Coordenar medidas de saúde pública e financeiras.

Ajuda de outras instituições

Os países do G20 anunciaram, após a videoconferência, que trabalharão com outras instituições para “ajudar os países emergentes e em desenvolvimento” a lidar com os problemas causados pelo coronavírus.

Entre as instituições estão a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

De acordo com informações do G1, Kristalina Giorgieva, diretora do FMI, pediu aos líderes do G20 apoio à capacidade de financiamento do Fundo.

A executiva disse ainda que a profundidade da contração e a rapidez da recuperação depende na contenção da pandemia, e na força e coordenação das políticas monetárias e fiscais.

Balanço da pandemia

A pandemia causada pela Covid-19 já atingiu 21 mil mortos em todo o planeta e está mantendo mais de 3 bilhões de pessoas confinadas em suas casas, de acordo com o último relatório da OMS.

No Brasil, que completou nesta quinta-feira um mês do primeiro caso registrado no País, o número de infectados e de óbitos segue crescendo.

O relatório mais recente aponta 2614 infectados e 63 óbitos.

Pesquisadores apontam aumento na projeção inicial de infectados no Brasil

Estudo aponta que pandemia pode causar prejuízo de R$ 320 bi às empresas

 


Aproveite as oportunidades e aumente a rentabilidade dos seus investimentos.

Preencha seus dados abaixo e conte com especialistas para ajudar.

Se preferir, ligue direto para 4007-2374