Com a crise, aluguéis de escritórios em SP têm descontos e renegociação

Jéssica De Paula Alves
Jornalista e produtora de conteúdo
1

Crédito: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas

A disseminação do novo coronavírus já impacta diversos setores da economia. E com as constantes mudanças, proprietários de escritórios comerciais em São Paulo buscam alternativas, entre elas, descontos de aluguel e prazos de carência para pagamento, revela reportagem do jornal Valor Econômico.

As empresas avaliam os pedidos e em casos de concessão solicitada, ressarcimentos aos donos dos imóveis estão sendo estudadas.  Assim, em média, há três meses de carência total ou desconto de 50% do pagamento de aluguel.

Para o  vice-presidente da consultoria CBRE, Adriano Sartori,  o pagamento do valor abatido da locação no fim da crise, ou até o fim do ano é considerado. É possível também que o desconto seja pago com correção pela inflação quando o contrato se encerrar.

A presidente da consultoria Newmark Knight Frank, Marina Cury, afirma que isenção de três meses de aluguel nos escritórios pode ser ressarcida pela diluição do valor equivalente nos meses seguintes. Outro modelo, segundo ela, seria a ampliação do contrato de aluguel por mais três meses.

“Cada negociação tem uma particularidade. Tentamos escutar os dois lados e buscar o equilíbrio”, disse ao Valor a diretora de representação de ocupantes da consultoria JLL para o segmento de escritórios, Monica Lee.