Colômbia suspende operação da Uber

Gabriela Brands
Profissional com graduação em Jornalismo, pós-graduação em Planejamento em Comunicação e Gestão de Crises de Imagem e em Marketing. Tem experiência sólida em Comunicação Política, Assessoria de Imprensa e Gestão de Crises.

Crédito: Reprodução/ Twitter

A partir do dia 1º de fevereiro, a Uber não vai mais operar na Colômbia. Autoridades locais suspenderam o serviço com o propósito de solucionar um conflito entre a empresa e os taxistas do país. De acordo com nota divulgada pelo governo com a decisão, a empresa viola as leis que regulamentam o transporte local.

O litígio com a Uber tem origem em um processo aberto por uma companhia de táxis em 2016. No mês passado, a Superintendência da Indústria e Comércio da Colômbia determinou então a suspensão das atividades do aplicativo por “atos de concorrência desleal”.

A Uber classificou a decisão como “arbitrária”, contrária ao “ordenamento jurídico colombiano” e uma “violação ao devido processo e direito constitucionais”. Além disso, garantiu que vai usar todos os recursos legais para reverter a suspensão.

Fundada em 2009, na Califórnia, a Uber operava na Colômbia desde 2013. Segundo a empresa, o país tinha 2 milhões de usuários locais e 88 mil motoristas cadastrados.

Uber foi banida de países europeus

A empresa, que opera 63 países e tem 91 milhões de usuários mensais, não opera em alguns dos principais países europeus. Na Alemanha, por exemplo, a Justiça barrou o funcionamento do aplicativo, alegando falta de licença dos motoristas cadastrados. A Bulgária também não conta com o serviço desde 2015. Já na Dinamarca e na Hungria, a própria empresa optou por não atuar. Isso porque houve um endurecimento na legislação que trata do transporte de passageiros nos dois países e a Uber se viu sem capacidade de atender às regras.