InvestimentosMeu InvestimentoRenda Variável

COE – Rendimento de Ações e Segurança de Renda Fixa

COE – Rendimento de Ações e Segurança de Renda Fixa
4.2 de 18 votos
[kkstarratings]

“COE: Retorno de renda variável com cara de renda fixa.”

O que você verá neste artigo:

Um novo investimento
para um novo Cenário.

Neste artigo vamos abordar um investimento que ganhará muito espaço com o novo horizonte econômico no que diz respeito à taxa de juros:
Um investimento chamado Certificado de Operações Estruturadas – os famosos COE.

O COE – Certificado de Operações Estruturadas alia a segurança de uma poupança com retornos em investimentos de renda variável (ações por exemplo).

Um breve resumo do que você aprenderá neste artigo:

COE - O que você vai aprender

Você já conhece seu Perfil de Investidor?

Por se tratar de um investimento de renda variável, os COE – Certificado de Operações Estruturadas, são indicados inicialmente para investidores com perfil de risco a partir de “moderado”.

“Uma nova perspectiva, requer uma nova abordagem.”

Uma nova perspectiva

O grande motivo pelo qual este tipo de investimento entrará no foco do mercado deve-se a projeção de um cenário de economia crescente e mais fortificada, com juros caindo ao ponto de levar a renda fixa a ter rendimento próximo ao da poupança.

Renda fixa atualmente é o investimento mais usado por investidores brasileiros, ex: LCI, LCA, CDB, Fundos de investimentos de renda fixa.

Estes investimentos entregarão um rendimento cada vez menor à medida que os juros comecem a cair, justamente porque grande parte deles tem seu rendimento baseado no CDI – Certificado de Depósito Interbancário, que movimenta-se junto à SELIC.

Então, é correto afirmar que em caso de queda na SELIC, naturalmente o CDI cairá junto.

Para que o investidor consiga ter rendimentos maiores ou até mesmo buscar rendimentos que só eram possíveis pegar em renda fixa em 2016, será necessário correr mais riscos.

Aumente sua rentabilidade sem abrir mão da sua segurança

Os COE – Certificado de Operações Estruturadas entram neste horizonte permitindo que o investidor mais conservador tenha acesso a estes investimentos mais arriscados, com potencial maior de retorno e mantendo a segurança desejada, com o valor investido protegido ou valor investido protegido mais a inflação projetada.

Potencial de Lucro

Em países que possuem uma taxa de juros baixa há muito tempo, como os Estados Unidos e países da União Europeia, estes tipos de títulos quase que por via de regra fazem parte da carteira de todos os investidores.
Nestes países, estes títulos são chamados de Notas Estruturadas.

Como funcionam os COE

Existem diversos tipos de COEs mas em sua maioria eles combinam duas características:

1 – Você ganha a oscilação de algum investimento de Renda Variável, como ações, moedas, etc.

2 – Você fica “preso” durante um período e em troca disso tem uma garantia;

Essa garantia normalmente é do valor investido, ou seja, se você investir R$ 20.000,00, na pior hipótese (como no caso das ações caírem), você recebe o capital de volta.

Em muitos COEs, além de proteger seu investimento ele ainda é no mínimo, corrigido pela inflação.


Espero que você tenha gostado do Resumo até aqui. Daqui para frente vamos aprofundar o assunto.

Antes de continuar, você pode me enviar perguntas caso esteja com dúvidas:

Você pode ter acesso a este conteúdo em vídeo:

Palestra: COE – Certificado de Operações Estruturadas

Nossas palestras Melhor Investimento 2014, 2015, 2016 e 2017, já foram assistidas por mais de 500.000 pessoas. Garanto que você não vai se arrepender.

COE – Artigo Completo

Agora, vamos aos tópicos:

Estes serão os tópicos abordados, você pode pular diretamente para eles clicando nos links:

– O que é um COE
– Quais as vantagens de investir em COE
– Quais os tipos de COE existentes no mercado
– Como investir em COE
– Quais os riscos atrelados ao COE

COE – Como funciona:

O certificado de Operações Estruturadas – COE, é um título originado por um banco, assim como por exemplo um CDB.

Não sabe o que é um CDB? Sugiro acessar primeiro nosso artigo sobre CDB para depois retornar ao artigo “COE – Certificado de Operações Estruturadas”.

COE - Segurança

COE x CDB

Para quem já tem um conhecimento mais profundo, a comparação pode parecer estranha, mas o que queremos explicar é que ambos são originados por Bancos e são eles que dão a garantia do investimento.

CDB

A diferença entre o COE e o CDB, é que quando você investe em um CDB, empresta dinheiro diretamente para o banco que esta originando este título.

Em contrapartida, recebe um título chamado CDB (Certificado de Depósito Bancário) que atesta como será sua remuneração.

Ex: CDB 117% do CDI. Pagará 117% do que render o índice CDI durante o período em que seus recursos estiverem investidos neste título.

Por emprestar dinheiro ao banco, você tem direito ao seguro do FGC.

Não sabe o que é o FGC? Sugiro ler este artigo sobre FGC – Fundo Garantidor de Crédito.


Palestra Melhor Investimento para 2017

COE

Os Certificados de Operações Estruturadas – COE também são originados por bancos.

Ao contrário do CDB, seus recursos não vão para o caixa do mesmo (como um empréstimo) mas para uma cesta que envolve ativos de renda fixa e ativos de renda variável.

Estes ativos é que darão a segurança da estrutura e remunerarão do COE de acordo com suas características.

Por não emprestar o dinheiro para o banco e sim montar uma cesta de ativos de renda fixa e renda variável, os COEs não possuem a garantia do FGC, mas isto não o torna um investimento de risco.

Quem garante a segurança do COE?

Primeiramente, os COEs seguem toda a regulamentação imposta pelo Banco Central e CVM.

Estes certificados foram criados pela Lei 12.249 de 2010, a mesma que instituiu as Letras Financeiras.

Regulamentada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em 2015 e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) organizou a oferta pública permitindo a distribuição destes investimentos pelas corretoras.

COE - Qual a Segurança?

Os COE serão sempre registrados na Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (CETIP), que é a instituição financeira que registra em nome do investidor, todas as aquisições de títulos de renda fixa como CDB, LCI, LCA, LC, Debentures e LFs no mercado financeiro brasileiro.

Quais as vantagens de investir em COE?

1 – O COE permite ao pequeno investidor lucrar com situações em que dificilmente ele obteria ganhos sem correr grandes riscos.

2 – Além disso, alguns COEs podem estar ligados a mais de um ativo simultaneamente, permitindo em um único instrumento, a diversificação da carteira.

Siga-nos no Facebook e receba as atualizações do Blog:Envie dúvidas e sugestões para: contato@euqueroinvestir.com

3 – Internacionalização sem a necessidade de enviar recursos ao exterior: Os COEs ligados a ativos internacionais permitem aos investidores retornos atrelados a diversos ativos globalmente, muitas vezes sem correr o risco da moeda.

4 – Fácil acompanhamento do desempenho: o COE aparece como um único ativo na conta do investidor e desde o início, o investidor sabe quais serão as perspectivas de ganhos ou perdas no vencimento de acordo com a performance do ativo-objeto.

vantagens de investir em coe

Quais são os tipos de COE existentes no mercado?

Os COE são divididas em duas categorias principais:

Os COES de capital protegido:

COE - Capital Protegido

São os mais comuns por ter o principal investido garantido ou o principal mais uma taxa garantida.

A estrutura básica deste tipo de COE é a aplicação da maior parte do capital em um título prefixado que garanta no vencimento do COE, o capital investido ou o capital mais a taxa.

O restante dos recursos investidos em derivativos (geralmente opções ou opções exóticas) permitem ganhos significativos caso o objetivo das opções seja atingido.

Capital Protegido

Uma dúvida muito comum entre os investidores de COE desta modalidade é se realmente o valor investido está protegido, ou se realmente voltará para o investidor o valor aplicado, caso o COE não atinja o objetivo da estrutura.

A resposta para esta dúvida é: Sim!
Não existe maneira de um banco originar o COE Capital Protegido se não estiver de acordo com as especificações desse título.

A CETIP não permitiria registrar um título que não estivesse dentro das especificações de capital protegido.

Quer Ajuda para escolher o melhor COE para Você?

Mensalmente são ofertados novos COE pelos bancos. Eu posso te ajudar a escolher o mais adequado para o seu perfil e com a melhor rentabilidade possível.

Há também os COE com Principal em Risco:

COE - Principal Risco

São pouco usados no mercado brasileiro, por expôr o principal investido no título em risco.

Como o investidor brasileiro tem um perfil mais conservador, acaba não havendo demanda para este tipo de emissão como em outros países onde estes títulos são negociados há mais tempo.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Características dos COE:

Transparência:
Desde o início da operação, o investidor tem conhecimento dos possíveis cenários nos quais ele terá rentabilidade positiva, neutra ou negativa.

Aplicação mínima inicial:
O COE tem um valor inicial para investir mas normalmente é um valor baixo.

Vencimento definido:
O COE tem uma data de vencimento definida que pode ser de 1, 2, 3 ou 5 anos.

Modalidades:
Valor Nominal Protegido ou Valor Nominal em Risco

Caractecísticas COE

Liquidez:
O pagamento da rentabilidade pode ocorrer na data de vencimento do título ou em períodos durante a vida do produto, como por exemplo, pagamentos de cupons semestrais ou trimestrais, variando conforme as características do COE.

Apesar de existir mercado secundário para negociar cotas de COE, ele é consideravelmente pequeno, logo, na maioria dos COE não é possível sair dele vendendo para outro investidor.

É necessário aguardar ou as datas de cupons ou o vencimento.

Custos para investir:

O COE não possui taxa de administração.

Não há custos para investir, a não ser que sua instituição cobre taxa de custódia para manter o título, mas o padrão é não haver custos.

Como investir em COE:

Para investir em COE, é necessário usar um banco ou uma corretora de valores.

Quais os Riscos atrelados ao COE?

Todo COE é uma oferta pública então, cada COE é único e tem uma data especifica para investir nele.
Expirada a mesma, não há como entrar novamente neste mesmo COE.
Pode haver novas emissões similares mas não existe possibilidade de se ingressar em um COE que passou da sua data de oferta.

COE em Risco

Antes de investir em um COE, o investidor deve assinar:

Termo COE:
Assinado uma única vez pelo investidor dando ciência dos riscos do COE.

DIE (Documento de Informações Essenciais):
Documento com explicações sobre o funcionamento, fluxo de pagamentos e riscos do certificado de operações estruturadas COE. É entregue ao investidor antes da realização de cada investimento.

Apenas investidores com o perfil adequado a este produto poderão realizar essas aplicações.

O COE com capital protegido é indicado para investidores com perfil de risco a partir de “moderado”, que querem exposição a algum ativo sem o risco de perda do principal investido.

Já o COE que não possui capital protegido é mais arriscado e, portanto, recomendado para investidores com perfil mais agressivo.

Imposto de renda para COE:

O imposto de renda para os COE segue a tabela regressiva padrão para renda fixa e fundos de investimentos de renda fixa e multimercados.
Mesmo sendo um COE que trabalha com ações, seguirá esta tabela:

Tabela IR - Renda Fixa

Lembrando que imposto de renda é sempre sobre o ganho e não sobre o capital investido.

Se o investidor aplicasse separadamente na Renda Fixa e no derivativo em vez de usar um COE, seria necessário pagar o imposto para ambos os produtos.
Então o COE acaba tendo uma vantagem tributária.

Agora vou trazer alguns bons exemplos de COE certificado de operação estruturada com capital protegido:

COE ligado à alta do índice XY – Valor Nominal Protegido

Nesta estratégia, o investidor participa de forma alavancada na alta do ativo até determinado nível de preço (limitador), com proteção de 100% de seu capital contra uma eventual queda.

coe ligado a alta do xy

Características da Estrutura:

– Modalidade: Valor Nominal Protegido;
– Viés para o Ativo: Alta Moderada;
– Participação na alta: X vezes a alta, com limitador;
– Proteção: 100% do Principal Protegido. O principal protegido só será garantido no vencimento.

Benefícios e Risco:

– Participação na alta do ativo
– Caso o ativo suba mais que o limitador, o cliente não participa de toda a alta.

Vamos ao modelo:

Suponhamos que o índice XY represente um índice de ações, como Ibovespa e S&P 500.
Um investidor acredita na alta deste índice no próximo ano e gostaria de investir em um produto que não tenha risco de perda de principal.

Ele decide então aplicar no COE ligado à alta de XY, com Valor Nominal Protegido e prazo de um ano.

Nesta estratégia, no vencimento o investidor irá participar da alta do índice até um limite de 22%, ou seja, o ganho máximo do cliente será de 22%, mesmo que o índice suba mais que isso em um ano.

Caso no vencimento o índice apresente queda, o investidor recebe de volta o capital investido.

Cenário 2 no Vencimento do COE

O COE participará da variação positiva do índice XY conforme o quadro abaixo (válido apenas para a data de vencimento do COE).

Cenários de Vencimento

Cenário 3 no Vencimento do COE

A tabela abaixo mostra alguns cenários de retorno no vencimento, considerando um preço inicial de XY de R$ 100,00.

Cenário 3 Retorno no Vencimento do COE

Como este exemplo tem horizonte de 1 ano, normalmente será necessário ter uma trava na alta do rendimento para tornar possível ser capital protegido.

Agora a vamos a um segundo modelo e vamos dar mais tempo, 3 anos.
Quanto maior o horizonte, melhor a estrutura para o investidor.

COE ligado à alta do índice XYZ – Valor Nominal Protegido

Imagine o mesmo exemplo anterior só que agora sem um limitador de alta.

COE Ligado a Indice

Nesta estratégia o investidor participa 1 para 1 da alta do ativo, sem limitador e com proteção de 100% de seu capital contra uma eventual queda.

Características da Estrutura:

– Modalidade: Valor Nominal Protegido
– Viés para o Ativo: Alta
– Participação na alta: 100%
– Proteção: 100% Principal Protegido. O principal protegido só será garantido no vencimento.

Benefícios e Risco:

– Participação Ilimitada na alta

Cenários no Payoff

Observe no gráfico acima que através dessa estrutura se torna possível entrar em um ativo de renda variável (pode ser uma ação, um índice, uma moeda) sem estar assumindo o risco de renda variável que a desvalorização do capital junto com a desvalorização do ativo.

É este tipo de estrutura que faz com que os COEs se tornem uma boa opção para alocação de investidores com perfil moderado.

Análise de cenários para o COE no ativo XYZ:

Preço no Vencimento de um COE

Se o ativo subir: teremos nosso capital investido e mais 100% da alta do índice XYZ.
Se o ativo cair: nosso capital está assegurado.

Exemplo de COE já realizado dentro dessa estrutura:
COE S&P 500 5 anos

Recentemente foi distribuído pela XP investimentos um COE feito pelo banco Morgan Stanley, um dos maiores bancos de investimento do mundo, que tinha por objetivo entregar a alta do índice S&P 500 e mais uma taxa prefixada para o período do COE, o que garantia ao investidor além dos 100% da alta do ativo, uma taxa prefixada de 31%.

Note que, seguindo nossa linha de explicação, ao se aumentar o horizonte tornou-se possível não só proteger o capital mas ainda garantir uma taxa prefixada.

Esta taxa prefixada ao longo dos próximos 5 anos, terá grande chance de ficar acima da inflação média projetada, o que torna ainda mais interessante o COE.

Vamos ao exemplo:

Ativo Subjacente: iShares Core S&P 500 (IVV) – ETF que segue o desempenho do S&P 500, conforme: www.ishares.com

Descrição:
No vencimento, o investidor recebe uma taxa fixa e mais a alta ilimitada do ativo subjacente no período, sem exposição cambial.
Em caso de queda no preço do ativo, o investidor recebe de volta o capital investido mais a taxa fixa no período.

Taxa Fixa:
Mínima de 31% no período a ser definida na data de início.

Proteção do Principal:
Taxa fixa + 100% do valor nominal, garantido exclusivamente na Data de Vencimento.

Cenários no Vencimento de COE - Gráfico

Análise de cenários para o COE:

Variação nos Ativos - COE

Então, na pior situação possível, receberá o capital investido e mais a taxa prefixada:

Se investir R$ 100.000,00, receberá R$ 131.000,00

Trabalhando uma simulação, se o S&P 500 subir 100% nestes 5 anos, o rendimento do COE será de 231%

Se Investir R$ 100.000,00 receberá R$ 231.000,00

Este seria o rendimento bruto dentro dessas possibilidades, deste valor apenas seria necessário descontar o IR.

Agora vamos a outro modelo de COE que também é interessante:

COE Autocallable ligado às Ações A B e C – Valor Nominal Protegido

Nesta estratégia, o investidor recebe um cupom fixo superior ao CDI, caso o preço dos ativos estejam acima do preço de montagem do COE nas datas de verificações dos cupons ou no vencimento, o investidor receberá o cupom previsto no COE.

Caso o ativo esteja abaixo do preço de exercício, no vencimento, o investidor recebe de volta o principal investido.

É uma estrutura de COE que paga uma taxa fixa bastante atrativa, caso uma condição seja atingida em determinadas datas de verificação.

COE Autocallable - Exemplo

Características da Estrutura:

– Modalidade: Valor Nominal Protegido
– Viés para o Ativo: Alta Moderada
– Cupom: Fixo, no vencimento, condicionado ao preço do ativo estar acima do preço de montagem
– Proteção: 100% Principal Protegido. O principal protegido só será garantido no vencimento

Benefícios e Risco:

– Cupom superior ao CDI do período.
– Possibilidade de retorno superior à alta do ativo em um mercado lateral.
– Caso o ativo suba mais que o cupom, o investidor não participa de 100% da alta.

Características COE Autocallable

Vamos mostrar um exemplo hipotético de um COE Autocallable ligado a 3 ações:
Ações A, B e C, com um prazo de 2 anos e datas de verificação semestrais.
Embora com prazo de 2 anos, o produto teria 4 datas de observação, ou seja, a cada seis meses.

Em cada uma destas datas, caso todas as 3 ações estejam acima dos respectivos preços iniciais, o produto paga uma taxa de 10% no semestre e é encerrado antecipadamente.

– Assim, se for encerrado em 6 meses, o investidor recebe 10% no semestre.
– Se for encerrado em 1 ano, o investidor recebe 20% ao ano.
– Se for encerrado em 18 meses, recebe 30% no período.
– Se a condição for atingida apenas em 2 anos, a taxa será de 40%.

No pior cenário, se no vencimento a condição nunca for atingida, o investidor recebe de volta o capital investido.

Autocallable

O quadro abaixo ilustra o funcionamento do Autocallable em cada data de observação:

Condição para pagamento de cupom: preço das 3 ações igual ou acima do preço na data de início do COE.

Quadro: COE Autocallable

Esse não é um produto de participação na alta das ações, mas de pagamento de uma taxa em uma pré-condição observada.

A beleza da estrutura exemplificada está justamente no fato de que não há necessidade de que as três ações tenham uma forte alta para que a taxa fixa seja paga.

Se nenhuma das ações cair, o investidor já terá uma rentabilidade bastante atrativa, sem risco de perda de principal.

Importante também notar que existem quatro chances de ganho para o investidor, que ocorrem nas datas de verificação.

Exemplo de COE Autocallable para investir em ações:

Recentemente tivemos um COE que estava dentro dessa estrutura, que foi muito interessante por trabalhar com as maiores empresas digitais do mundo.

Ativo Subjacente:
Apple (AAPL UQ), Google (GOOGL UW), Facebook (FB UN)

Descrição:
Estratégia de 2 anos com 4 datas de observação semestrais. Em cada uma das 4 datas de observação (incluindo o vencimento).

Condições:
Se as 3 ações estiverem iguais ou acima dos respectivos preços iniciais, o investidor recebe um cupom acumulado mais o capital investido, e o COE é encerrado antecipadamente.

No vencimento, se a estrutura ainda não tiver sido encerrada e pelo menos uma das ações tenha a Presentado queda, o investidor recebe o capital investido.

Datas de Observação e Cupons:

Quadro: Data de Observação - COE

05/07/2017 : entre 9,15% a 10,15% no período
10/01/2018 : entre 18,30% a 20,30% no período
05/07/2018 : entre 27,45% a 30,45% no período
10/01/2019 : entre 36,60% a 40,60% no período

100% do valor nominal, garantido somente na Data de Vencimento.

Possíveis cenários:

Cenários 3

Caso o valor das ações esteja maior que o preço que estava quando o COE foi montado em qualquer uma das verificações, o investidor recebe o Cupom referente ao período.

Caso contrário, no vencimento capital protegido.

Renda Fixa x COE

Renda Fixa x COE: Quadro

Este exemplo de COE que acabamos de estudar é um bom exemplo de como pode vir para a carteira de um investidor com o foco de trazer uma opção de maior retorno.

Caso o COE seja vencedor, ele estaria entregando um rendimento equivalente a um CDB prefixado de 18%, algo que atualmente já é impossível de se encontrar no mercado.

Paulo Dallarosa

Paulo Dalla Rosa

Paulo Dalla Rosa, é um dos fundadores do Portal Eu quero investir, Com mais de 12 anos de experiência no mercado financeiro, auxiliando neste tempo milhares de investidores a atingirem seus objetivos através deste mercado.

Se quiser auxílio para encontrar bons investimentos, basta me chamar via e-mail ou WhatsApp:

e-mail: paulo.dallarosa@euqueroinvestir.com

Whatsapp: 47 9791-7925

Artigos Relacionados

Close