Para CNI, aumento da Selic é excessivo e compromete recuperação

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) emitiu nota em que considera equivocada a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, pela aceleração do ritmo de aumento da taxa básica de juros (Selic) para 1,50 ponto percentual.

“Os aumentos anteriores da taxa de juros já começaram a ter reflexos na economia. Percebemos que a atividade econômica dá sinais de desaquecimento e, nos próximos meses, os efeitos defasados do aumento da Selic vão continuar contribuindo para desestimular o consumo e desacelerar a inflação”, avalia o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

Segundo ele, com novos aumentos expressivos da Selic, “o Banco Central põe em risco a recuperação econômica e aumenta a probabilidade de uma recessão em 2022”.

Para ele, o aumento impactará negativamente as condições de crédito para os consumidores e para as empresas e desestimulará a demanda, como um “pé no freio” em momento ruim, quando a atividade ainda se esforça para se recuperar da pandemia.

Leia também: Dossiê da renda fixa: veja onde investir com Selic em alta
Money Week: Selic em alta exige gestão mais criteriosa ao escolher ações e fundos de ações