CNI: produtividade da indústria não passa de 0,6% em 2019

Marcello Sigwalt
null

Crédito: Site Istoé Dinheiro

Ano em que esboçava alguma reação, como os demais setores, o crescimento da produtividade da indústria de transformação nacional não passou de 0,6% em 2019.

O resultado, divulgado nesta quarta-feira (29) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), é o segundo consecutivo abaixo da linha de 1%, mantendo a trajetória produtiva pífia nos últimos cinco anos.

Levando-se em conta o mesmo comparativo anual, em 2018 esse índice chegou a 0,8%.

BDRs| Confira os papéis disponíveis para Investimentos

Sem transformação

Indicadores reforçam essa tendência. A quantidade de bens produzidos pela indústria de transformação estacionou em 0,2%, enquanto as horas trabalhadas recuaram em 0,5%.

Acima de desejável

O estudo da CNI mostra, ainda, que no ano passado, apesar de um esboço de ligeira recuperação da demanda interna, a indústria exibia índice de estocagem acima do desejável na primeira metade do ano passado, o que desestimulava a produção.

Importações deprimidas

Além do efeito negativo das tensões comerciais internacionais, a crise econômica argentina, aponta o estudo, também restringia a importação de bens industriais brasileiros.

Baixa produtividade

A oscilação contínua da produção e a vagarosa retomada do investimento também contribuíram para determinar a baixa produtividade.

Queda em 2020

Para este ano, marcado pela pandemia, a previsão é de que a produtividade registre queda. A expectativa da entidade é de que o impacto da crise já apareça nos dados de março último, quando passaram a vigorar as medidas de isolamento social.

Impacto desconhecido

Como as medidas de contenção e quarentena não têm prazo para terminar, a entidade admite que a extensão dos efeitos da covid-19, sobre a produtividade e o investimento na economia, vai depender da duração do isolamento, assim como do êxito das medidas governamentais para o controle da doença.