CNI: pandemia pode fazer investimentos federais em transporte despencar

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução / Pinterest

A pandemia de coronavírus pode fazer os investimentos federais em transportes despencar ao nível do início do século, informou a CNI.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Segundo levantamento da Confederação Nacional da Indústria, o investimento federal em infraestrutura de transportes totalizou R$ 8,3 bilhões em 2019, o menor valor em mais de uma década.

O levantamento contou com informações compiladas da ONG Contas Abertas e inclui os gastos do Ministério da Infraestrutura, da Infraero e da Companhia Docas.

De acordo com a CNI, o total de R$ 8,6 bilhões autorizados para 2020 em infraestrutura de transportes dificilmente será aplicado 100%, e pode ainda retroceder ao nível dos primeiros anos do século, quando não passaram da casa dos R$ 7 bilhões.

No ano passado, o investimento em transportes foi 64% menor que o pico registrado em 2010, quando foram investidos R$ 22,9 bilhões. Desde então, os recursos aplicados caem, em média, 9% ao ano. A queda mais expressiva ocorreu nos investimentos em rodovias, que, após alcançar o valor anual de R$ 17,1 bilhões investidos, somaram apenas R$ 6,6 bilhões em 2019.

 

Privatizações são a chave para a CNI

De acordo com a CNI, o caminho chave para a retomada da capacidade de investimento é o cumprimento da agenda de privatizações.

“O Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) se mostra cada vez mais imprescindível para o desenvolvimento de infraestrutura brasileira. Desde a sua criação, em 2016, até o fim de 2019, o PPI já realizou mais de 170 leilões, com investimentos totais de R$ 700 bilhões e arrecadação de R$ 137 bilhões em outorgas pelo poder público”, destacou o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

A previsão para este ano, mesmo com a pandemia, é de realizar novos leilões de pelo menos 40 projetos de infraestrutura.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

O olhar da CNI para cada modal

A CNI fez uma análise do que poderia ser feito para que cada um dos principais modais do País – rodovias, ferrovias, portos, hidrovias e aeroportos – alcançasse um nível de investimento compatível com o que a população precisa.

  • Rodovias

Segundo a CNI, a avaliação das rodovias brasileiras sofreu queda pela primeira vez em 2019, com o percentual de pessoas que consideravam o estado geral “bom ou ótimo” sendo reduzido de 43% para 41%.

Atualmente, apenas 15% das rodovias federais pavimentadas são administradas pelo setor privado, o que representa 9.647 km. Esse cenário, de acordo com o órgão, tem relação direta com as dificuldades enfrentadas pelos concessionários que participaram da terceira etapa de leilões de rodovias, nos anos de 2013 e 2014.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

“É imprescindível que os órgãos de Estado responsáveis pelo processo de renegociação desses contratos de concessão problemáticos agilizem o processo de repactuação ou relicitação para evitar uma deterioração ainda maior dessas rodovias. Além disso, as dificuldades experimentadas nesses certames mostram a necessidade de uma avaliação meticulosa das modelagens de concessão e dos empreendimentos a serem transferidos para a gestão privada”, diz a CNI em sua análise.

  • Ferrovias

O setor ferroviário vive um cenário bastante particular, segundo a CNI.

Ao mesmo tempo em que avançou com a conclusão do principal trecho da Ferrovia Norte-Sul, a malha ferroviária nacional continuou marcada por uma baixa conectividade.

A ANTT informou que, enquanto 30% da malha permanece ociosa e aproximadamente um quarto já não apresenta condições operacionais, o total da movimentação de carga ferroviária de operadores trafegando na malha de outras concessionárias representa apenas 12% do total.

“É preciso acelerar o processo de retomada das obras na Ferrovia Transnordestina e de concessão da Ferrovia Oeste-Leste (FIOL), previsto para este ano. Além disso, com a perspectiva de prorrogação das concessões atuais, deve-se estipular garantias contratuais, legais e regulatórias para a viabilização do direito de passagem e do tráfego mútuo no sistema, tanto para operadores atuais, quanto futuros”, observou a CNI no relatório.

  • Aeroportos

Os aeroportos também entraram na análise da CNI. Hoje há 22 aeroportos operados pelo setor privado, que respondem por 67% dos passageiros movimentados no País.

“Além de se avançar no programa de concessões de ativos da Infraero, o investimento no setor será beneficiado com a aprovação do PLS 46/2017, que permite a aplicação de recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac) na cobertura de custos de desapropriações, facilitando os processos de ampliação da infraestrutura dos aeroportos”.

  • Portos e hidrovias

hidrovia

Os terminais portuários marítimos e fluviais do Brasil são todos operados por agentes privados, alguns por arrendamento, outros por autorização.

A infraestrutura dos grandes portos, no entanto, segue sob a responsabilidade das Cias. Docas, estatais que apresentam um baixo nível de eficiência em suas administrações, elevados passivos trabalhistas e baixa capacidade de gestão.

“A modernização das administrações portuárias é a parte da Lei dos Portos que ainda não avançou. O governo confirmou o interesse de proceder com a transferência ao setor privado dos portos públicos, a ser iniciada pela Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa), e do porto de Santos, com leilões previstos para 2021″, lembrou a CNI.

“A desestatização desses empreendimentos é essencial, mas existe um grupo de outros pequenos portos públicos que poderiam ser privatizados com maior agilidade. É o caso do porto de Ilhéus, Aratu, Natal, Areia Branca, Fortaleza, Cabedelo, Recife, Macapá e Forno. Por apresentaram menores níveis de complexidade operacional e de movimentação de carga, a modelagem de concessão desses portos é mais simples, sendo possível o leilão conjunto das administrações portuárias e dos terminais. Isso facilita o processo de transferência ao setor privado e potencializa os resultados positivos com as concessões”, concluiu.

Planilha de ações: baixe e faça sua análise para investir