CNI: disposição para investir na indústria é a maior em 6 anos, mas produção cai

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)

Crédito: Freepik

Uma pesquisa sobre Sondagem Industrial, divulgada nesta segunda (27) pela Confederação Nacional da Indústria, indica que a percepção da melhora da atividade econômica elevou o otimismo dos empresários. Segundo a CNI, eles “apostam no aumento da demanda, das exportações, das compras de matérias-primas e do emprego nos próximos 6 meses”.

Mas a produção da indústria brasileira caiu em dezembro em relação a novembro. O recuo foi menor que em outros anos, mas outros dados sinalizam reação na atividade.

A pesquisa da Sondagem Industrial foi feita entre 6 a 17 de janeiro com 1.965 indústrias de todo o país. Dessa, 744 são pequenas, 711 são médias e 510 são de grande porte.

BDRs. Alternativas para investir no exterior diretamente da bolsa brasileira

Queda

Segundo a pesquisa Sondagem Industrial, o índice de evolução da produção caiu 7,1 pontos em relação a novembro e fechou dezembro em 43,8 pontos. Indicadores abaixo de 50 pontos mostram queda. E, acima de 50 pontos, mostram crescimento.

Foi o segundo mês seguido de queda. Em novembro, o índice de produção tinha recuado 4,3 pontos em relação a outubro.

Já o índice de intenção de investimento subiu 1,1 ponto na comparação com dezembro e atingiu 59,2 pontos em janeiro, de acordo com o CNI.

“A consolidação da recuperação da atividade e as expectativas otimistas dos empresários aumentaram a disposição da indústria para investir”, diz o CNI.

Maior nível desde fevereiro de 2014

Esse número representa o quarto aumento consecutivo desse indicador, que atingiu o maior patamar desde fevereiro de 2014. Esse indicador varia de zero a cem pontos. “Quanto maior o índice, maior é a disposição para os investimentos”, explica CNI sobre os 59,2 pontos apurados em janeiro.

“É fundamental que essa intenção se concretize e a indústria amplie os investimentos”, aponta o economista da CNI Marcelo Azevedo. “O aumento dos investimentos é importante para a criação de mais empregos e para acelerar o ritmo de crescimento da produção e da economia”, diz.

Veja a evolução desse índice nos últimos anos:

A pesquisa mostra que todos os indicadores de expectativas estão acima dos 50 pontos. “Isso mostra que os empresários esperam o crescimento da demanda, das exportações, das compras de matérias-primas e do número de empregado nos próximos seis meses”, avalia o CNI.

Recuos mais baixos

A Sondagem Industrial indica também que o índice de evolução da produção caiu 7,1 pontos frente a novembro e ficou em 43,8 pontos em dezembro.

“O indicador de evolução do número de empregados recuou 1,3 ponto em relação ao mês anterior e alcançou 48,7 pontos em dezembro. Os indicadores variam de zero a cem pontos. Quando estão abaixo de 50 pontos, mostram queda na produção e no emprego”, elucida a entidade.

Mas as quedas registradas em dezembro frente a novembro foram inferiores às de anos anteriores. “Os dados refletem o comportamento esperado para o período, com queda da atividade industrial devido ao término das encomendas para atender às vendas de fim de ano”, afirma a pesquisa.

Nível de estoques

Além disso, a utilização da capacidade instalada ficou em 63% em dezembro e está 2 pontos percentuais acima do registrado em dezembro de 2018. O índice é o maior para o mês de dezembro desde 2010, quando começou a série. “A indústria encerra 2019 em nível de atividade relativamente mais intenso do que o observado no mês de dezembro de anos anteriores”, avalia a CNI.

“Em dezembro, o nível de estoques em relação ao planejado diminuiu 1 ponto na comparação com novembro e ficou em 49 pontos. O indicador varia de zero a cem pontos. Quanto está abaixo de 50 pontos, mostra que os estoques estão abaixo do planejado, o que abre espaço para o aumento da produção”, afirma a CNI.

Melhora nas condições financeiras

Os empresários também notaram a melhora das condições financeiras no quarto trimestre do ano: “Pelo segundo trimestre consecutivo, os indicadores de satisfação com os lucros e com a situação financeira das empresas aumentaram. O índice de satisfação com a margem de lucro subiu para 45,8 pontos. Está 4,1 pontos acima da média e é o maior desde o primeiro trimestre de 2011.”

O índice de satisfação com a situação financeira aumentou para 50 pontos e pela primeira vez, desde o quarto trimestre de 2012, está em cima da linha divisória de 50 pontos: “Ou seja, o empresário mostra satisfação com a situação financeira”, observa a CNI. Os dois indicadores variam de zero a cem pontos e quando estão abaixo de 50 pontos mostram insatisfação dos empresários.

O índice de facilidade de acesso ao crédito aumentou 2,8 pontos no quarto trimestre em relação ao terceiro e ficou em 43,2 pontos. Foi o sexto aumento consecutivo do indicador, que está 3,5 pontos acima da média histórica. Embora esteja abaixo da linha divisória dos 50 pontos, mostra que as condições de acesso ao crédito estão melhorando.

Demanda

Os empresários também perceberam a melhora da demanda: “Embora se mantenha em segundo lugar no ranking de principais problemas enfrentados pela indústria no quarto trimestre de 2019, o número de menções à demanda interna insuficiente caiu 34,6% para 29,6%.”

O primeiro lugar da lista continua sendo a elevada carga tributária, com 43,6% das menções. “Empatados em terceiro lugar, ambas com 18,7% das respostas, aparecem a competição desleal e a falta ou o alto custo da matéria-prima. No quinto lugar, com 17,3% das respostas, ficou a falta de capital de giro”, informa a CNI