CNI: atividade industrial sobe e segue em recuperação

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)

Crédito: Governo do Espírito Santo/Divulgação

A atividade industrial se mantém em recuperação e atingiu o patamar pré-crise, segundo a Sondagem Industrial, divulgada nesta terça (22) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) alcançou 71%, 2 pontos percentuais acima do apurado em agosto de 2019 e 4 pontos percentuais a mais na comparação com julho.

É o maior percentual para o mês desde de 2014, quando o UCI ficou em 72%, lembra reportagem da Agência Brasil.

CNI: capacidade industrial em nível usual

O indicador de UCI efetiva – em relação ao usual – aumentou 3,6 pontos de julho para agosto e ficou em 47,7 pontos.

O índice ficou acima do registrado em agosto de 2019 (44,1) e próximo à linha divisória de 50 pontos. Isso significa que a atividade está no nível usual para o mês.

Esse indicador procura medir o quão a atividade industrial está aquecida. Valores abaixo de 50 pontos indicam atividade desaquecida.

Recuperação

“O otimismo do empresário também continuou aumentando, impulsionado tanto pela recuperação da economia, como pelo início do período de fim de ano, sazonalmente mais favorável à produção industrial”, diz a sondagem.

O índice de evolução da produção alcançou 58,7 pontos em agosto, no terceiro mês seguido de alta. O índice é próximo ao registrado no mês anterior (0,7 ponto inferior).

Resultados acima da linha divisória de 50 pontos indicam crescimento com relação ao mês anterior.

Quanto mais distante da linha de 50 pontos, mais forte e disseminada entre as empresas industriais é a alta da produção.

CNI: estoques em alta

De acordo com a CNI, mesmo com meses de crescimento da produção, os estoques seguem em queda e em nível abaixo do planejado.

O índice de evolução do nível de estoques registrou 46,3 pontos em agosto. Desde abril, os estoques vêm registrando queda.

O índice de estoque efetivo em relação ao planejado ficou abaixo da linha divisória de 50 pontos (45,2 pontos), indicando que os estoques seguiram inferiores ao esperado pelos empresários industriais.

Evolução do emprego

O índice de evolução do número de empregados atingiu 53,8 pontos em agosto.

“O índice já havia superado a linha divisória de 50 pontos em julho (índice de 50,9 pontos) mas, ao se afastar da linha, revela maior disseminação do movimento de aumento do emprego”, diz a CNI.

O indicador de agosto é o maior da série histórica mensal, iniciada em janeiro de 2011.

“É preciso levar em consideração, contudo, que o emprego estava em nível muito baixo. Em abril, o índice havia mostrado forte queda do número de empregados, ao registrar 38,2 pontos”, lembrou a entidade.

Fusões e aquisições estão em alta lá fora: confira as maiores transações

Crescimento da expectativa

De acordo com a Sondagem, todos os índices de expectativa mantiveram-se em crescimento na pesquisa realizada neste mês.

“O otimismo do empresário vem sendo impulsionado tanto pela recuperação da economia, como pelo início do período sazonalmente mais favorável à produção industrial”, diz a CNI.

O índice de expectativa para a demanda em setembro aumentou 1,7 ponto, em relação a agosto, para 63,1 pontos, o melhor resultado para o índice em mais de 10 anos.

O índice de expectativa de compras de matérias-primas aumentou 1,9 ponto para 60,6 pontos.

A última vez que o índice havia superado 60 pontos foi em agosto de 2010.

Já o índice de expectativa de número de empregados foi de 54,8 pontos, o maior desde abril de 2011.

Exportação

A expectativa de exportação aumentou 3 pontos e atingiu 55,4 pontos.

O indicador de intenção de investimento cresceu pelo quinto mês consecutivo e atingiu 55,3 pontos, avanço de 4,3 pontos frente a agosto. Desde maio, o indicador acumula crescimento de 18,6 pontos.

“Apesar de o indicador ainda não ter retomado o nível de fevereiro, de 58,7 pontos, o resultado atual é maior do que a média histórica do indicador, de 49,5 pontos, e do registrado em setembro de 2019, 53,5 pontos”, diz a sondagem.

O índice de número de empregados passou de 53,5 pontos, em agosto, para 54,8 pontos, neste mês.

Em setembro de 2019, estava em 50,7 pontos.

Ações do setor de materiais de construção ganham com rali da demanda

Próxima onda de recuperação global pode elevar preços das commodities