CNA projeta novo recorde para agropecuária e alta de 13,7% em 2020

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/Internet

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgou a nova projeção do Valor Bruto da Produção (VBP) da agropecuária para 2020.

De acordo com o órgão, a previsão é de que um novo recorde seja alcançado neste ano, com alta de 13,7% em relação a 2019.

A expectativa, realizada em cima de dados de preços e produção disponíveis até agosto deste ano, é de que a receita ultrapasse R$ 823 bilhões no período.

VBP agrícola deve crescer 18%, avisa CNA

Ao dividirmos o Valor Bruto da Produção entre agrícola e pecuária, temos a seguinte situação:

Em relação ao VBP agrícola, a projeção da entidade é de uma alta aproximada de 18% em 2020, com receita bruta de R$ 531,6 bilhões.

O “carro-chefe” da produção agrícola, mais uma vez deverá ser pilotado pela soja, que tem produção recorde prevista, com receita estimada em R$ 218 bilhões, 23,8% acima do alcançado em 2019.

Na cola da soja aparecem arroz, café arábica e trigo, com altas de receita projetadas de 33,9%, 51% e 59%, e com crescimento de produção estimado, pela ordem, em 6,7%, 30% e 32%.

Alta da pecuária será menor

O VBP da pecuária pode ter alta de 6,6% e atingir receita de R$ 291,7 bilhões, conforme os cálculos divulgados pela CNA.

A entidade avaliou que o acréscimo de cerca de R$ 17,9 bilhões no faturamento da atividade está atrelado ao aumento nos preços da carne bovina e às maiores cotações e produção de ovos e suínos.

Ao falar especificamente sobre a carne bovina, o relatório citou a oferta restrita de animais para o abate como o fator que levará a uma retração de cerca de 3,6% na produção em 2020.

“Apesar do bom resultado da pecuária, o faturamento bruto das atividades de frango e de leite deve apresentar queda de 3,7% e 4,3%, respectivamente”, informou a CNA, complementando o comunicado à imprensa.

Leia também: 5G: Embaixador dos EUA pede que Brasil escolha fornecedor de confiança