Clubhouse: o que é e como usar a rede para aprender sobre investimentos 

Ana Paula Schuster
Colaborador do Torcedores
1

Foto: Clubhouse

Considerada a rede social do momento, o Clubhouse vem despertando curiosidade em várias pessoas. Isso porque é restrito: só permite novos membros por meio de convites. Assim, torna ainda mais exclusivo o aplicativo. 

O Clubhouse ainda está em fase de testes, a chamada versão beta. Contudo, personalidades já estão citando que o app veio para ficar. Conheça aqui o que é essa rede social e veja como aproveitar as salas para aumentar seus investimentos. 

Clubhouse: o que é esse fenômeno do momento 

O Clubhouse é a rede social “queridinha” das celebridades e sensação do momento. Em resumo, tem como foco reunir membros para debater sobre vários temas, como finanças, tecnologia, entre outros.

Esse aplicativo tem semelhança com um podcast. Contudo, sua transmissão é feita ao vivo e sem nenhum corte ou edição. Assim, o anfitrião compartilha com seus convidados falas sobre diversos assuntos. 

Para os criadores, Paul Davidson e Rohan Seth, o Clubhouse seria como um seminário. Dessa forma, em casos de dúvidas, basta levantar a mão, e um dos anfitriões responde em tempo real. 

Um aplicativo só de áudios

A plataforma é totalmente baseada em áudio. Sendo assim, nenhuma imagem, como foto ou vídeos, é permitida dentro das salas. Apenas as fotos de perfil de cada usuário aparecem na tela do aplicativo.

Outro detalhe: não há a possibilidade de reproduzir conteúdos antigos. Afinal, todas as conversas dentro do Clubhouse acontecem em tempo real. Assim, não há opção de gravar ou armazenar o que foi dito dentro da plataforma.

Clubhouse ainda não está aberto ao público  

Um ponto que deixa o Clubhouse mais chamativo é que esse aplicativo ainda não está aberto ao público. Assim, para acessar a rede social é necessário receber um convite de algum membro que já o tenha.

Somente os smartphones iPhone podem fazer o download da plataforma. Apenas o sistema operacional IOS suporta o Clubhouse. Entretanto, segundo os criadores, futuramente será disponibilizado o programa para celulares Android.  

A exclusividade se deve ao fato da necessidade que a rede social tenha um crescimento mais lento. Certamente, a escolha ocorre para que não ocorra quebra de servidores e que ajustes possam ser feitos gradativamente. 

Lista de contatos é o ponto negativo da plataforma

Mesmo com diversos elogios, o Clubhouse possui um ponto negativo: o uso da lista de contatos de seus usuários. O compartilhamento desses dados dentro do aplicativo pode gerar sérios problemas.

Outro ponto a destacar é a falta de inclusão. Por ser uma plataforma somente feita por áudio, não há a inclusão de pessoas surdas no Clubhouse. Além disso, há uma clara limitação para cegos, já que o app não possui configurações para esse público. 

China censurou o Clubhouse 

Com o crescimento do aplicativo dentro do país, as autoridades chinesas censuraram o Clubhouse. Visto que, para a China discussões sobre opiniões na internet não são bem aceitas. 

Para alguns especialistas, a proibição é uma forma do governo chinês impedir que a população tenha conexão. Isto é, que os chineses tenham contato com o que o restante do mundo pensa. 

Salas no Clubhouse: como funcionam?

As conversas dentro do Clubhouse acontecem por meio das salas de bate-papo. Em resumo, em cada sala há um moderador que passa as informações aos demais membros. Além disso, a sala possui a opção de “levantar a mão” caso algum participante tenha dúvidas. 

Os chats são divididos entre:

  • Open (aberta ao público)
  • Social (somente pessoas que você segue participam)
  • Closed (apenas membros específicos entram)
  • Boas Vindas (para os novatos dentro do app)

Influenciadores de investimentos estão usando esse aplicativo

Com o Clubhouse é possível ter acesso a um aprendizado com diversos especialistas. Portanto, para quem desejar aprender mais, essa ferramenta será de grande valia.

Diversos influenciadores sobre investimentos vem fazendo sucesso dentro da plataforma. Como por exemplo, Nathalia Arcuri, fundadora do Me Poupe!. A educadora reuniu 700 pessoas em sua sala sobre “liberdade financeira”. 

João Kepler, do “O Anjo Investidor” da RedeTv, também possui chat dentro do aplicativo. Segundo ele, o ponto positivo do Clubhouse é poder dar a liberdade das pessoas serem elas mesmas, já que não é possível fazer edições ou até terceirizar os conteúdos. 

Usuários brasileiros fazem “micromentorias” dentro do Clubhouse

A ideia fundamental é incentivar uma colaboração, tendo como base a troca de conhecimento. Assim, no Clubhouse é possível pessoas de “mundos” diferentes poderem debater sobre um determinado assunto dentro de uma sala. 

No Brasil, usuários vêm se destacando por oferecer pequenas mentorias ao vivo. Onde quem precisa de alguma orientação expõe e o profissional com experiência se auxilia. Certamente, um tipo de conversa que dificilmente ocorreria fora da internet. 

Use o Clubhouse para adquirir mais conhecimento 

Os usuários do Clubhouse não estão à procura de apenas diversão, mas sim de conhecimento. Por meio de autoridades de determinados assuntos, obtém aprendizado. 

Diversas empresas veem um potencial de crescimento dentro do aplicativo. As mesmas podem criar dentro do Chubhouse estratégias que irão disseminar conteúdo para seus clientes. 

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo.