Cielo (CIEL3): varejo tem 7º mês consecutivo de recuperação

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Foto: Índice Cielo do Varejo Ampliado de outubro 2020

A Cielo (CIEL3) divulgou nesta terça-feira (17) que as vendas do setor de varejo registraram uma queda de 7,7% em outubro em relação ao mesmo período do ano passado.

Mas apesar do recuo em comparação em relação a outubro de 2019, o comércio varejista registrou o sétimo mês seguido de recuperação em 2020.

O destaque positivo foi a aceleração de setores como alimentação (bares e restaurantes) e veterinárias e pet shops. Mas, de outro lado, os setores de materiais de construção e automotivo apresentaram desaceleração.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Segundo o superintendente-executivo de Inteligência da Cielo, Gabriel Mariotto, o ritmo de recuperação do varejo diminuiu em outubro, apesar dos segmentos mais afetados no começo da pandemia, como bares e restaurantes, e turismo e transporte, continuarem mostrando redução nas quedas.

“Os setores que mais contribuíram para o abrandamento da recuperação foram os que até setembro cresciam bem acima da média, como supermercados e hipermercados e materiais para construção”, complementa Mariotto.

Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, a queda do ICVA foi de 1,6%. ICVA é o Índice Cielo do Varejo Ampliado.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apresentou alta de 0,86% em outubro. Ou seja, é o maior resultado do índice para um mês de outubro desde 2002.

No acumulado dos últimos 12 meses, a inflação foi de 3,92%.

Segundo dados do IBGE, o setor de alimentação e bebidas foi destaque na aceleração do índice. Ao ponderar o IPCA pelos setores e pesos do ICVA, a inflação no varejo ampliado foi de 6,5% em outubro.

Bens duráveis têm recuperação, diz Cielo

Segundo a Cielo, descontada a inflação e feitos os ajustes de calendário, o setor que apresentou a maior aceleração do índice foi o de bens duráveis e semiduráveis, seguido pelo de serviços.

No primeiro bloco, o destaque foi o segmento de vestuário. No segundo, houve aceleração no setor de alimentação (bares e restaurantes).

Já o macrossetor de bens não duráveis desacelerou em outubro, puxado pelo setor de drograrias e farmácias.  Assim, nesse bloco, o destaque positivo foi o setor o veterinárias e pet  shops, que apresentou aceleração.

Sudeste e Nordeste têm maiores quedas

De acordo com a Cielo, todas as regiões registraram queda nas vendas em relação a outubro de 2019.

Segundo o ICVA deflacionado com ajuste de calendário, Sudeste e Nordeste apresentaram a maior retração em outubro de 2020: -9,2%.

Depois aparecem as regiões Sul (-6,7%), Centro-Oeste (-6,3%) e Norte (-2,9%).

Já o ICVA nominal – que não considera o desconto da inflação – com ajustes de calendário, o destaque foi a região Norte, com variação positiva de 5,6%.

Por fim, o Centro-Oeste experimentou alta de 0,8%. Em seguida aparecem: Sul (-0,4%), Nordeste (-2,5%) e Sudeste (4,0%).