Cielo (CIEL3): varejo tem 5º mês consecutivo de recuperação

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Cielo (CIEL3): vendas do varejo recuam 7,9% em setembro

A Cielo (CIEL3) divulgou nesta sexta-feira (16) que as vendas do setor de varejo registraram uma queda de 7,9% em setembro, porém representam o quinto mês consecutivo de recuperação.

O dado também é o melhor desde o início da pandemia.

Segundo a Cielo, as informações descontam a inflação e são comparativos com o mesmo mês de 2019.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, a queda do Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) foi de 3,5%

Apesar do recuo na comparação com setembro do ano passado, esse é o quinto mês consecutivo de alta na comparação com o mês anterior. Os números mostram que, após o tombo no início da pandemia, os números passaram a melhorar. Em abril, a redução das vendas apurada pelo ICVA foi de 36,5%. Em maio passou a -30,5%; em junho ficou em -24,1%; em julho, -19,9%; e em agosto, -15,1%.

Com relação à inflação do varejo, tomando como base o IPCA, a alta foi de 0,69% em setembro.

No acumulado dos últimos 12 meses, a inflação foi de 3,14%. Segundo dados do IBGE, o grupo de Alimentação e Bebidas pressionou para a aceleração do índice.

Desempenho

Todos os macrossetores apresentaram aceleração das vendas no mês. Bens Duráveis e Semiduráveis, com destaques nos setores de Óticas e Joalherias e Vestuário, e Bens Não Duráveis, com destaque para Varejo Alimentício Especializado, chegaram inclusive a registrar crescimento nominal.

A exceção foi o bloco de Serviços, ainda que tenha apresentado a maior aceleração, com destaque para os setores de Serviços Automotivos e Autopeças e Turismo e Transporte

“Setembro apresentou forte aceleração do Varejo. Essa recuperação é percebida em todos os setores, apesar de alguns deles, principalmente aqueles relacionados a Serviços, ainda estarem em um patamar abaixo de 2019”, afirma Gabriel Mariotto, superintendente-executivo de Inteligência da Cielo.

“Se não levássemos em conta os setores de Serviços como Turismo, Alimentação, entre outros o ICVA nominal já estaria acima de zero em setembro”, acrescentou.

Sudeste é destaque negativo novamente

Todas  as  regiões  apresentaram queda nas vendas em relação a setembro de 2019. Segundo o ICVA deflacionado com ajuste de calendário, a Região Sudeste apresentou a maior retração em setembro de 2020: -8,5%. Na sequência aparecem as regiões Nordeste (-7,9%), Centro-Oeste (-5,3%), Sul (-4,7%) e Norte (-1,1%).

O destaque no ICVA nominal – que não considera o desconto da inflação – com ajustes de calendário, três regiões apresentaram variação positiva no mês, com destaque para a região Norte, com crescimento de 6,4%. Em seguida aparecem: Sul (0,5%) e Centro-Oeste (0,4%).

As regiões Nordeste (-2,3%) e Sudeste (-5,2%), no entanto ainda apresentaram queda no período.

Vendas recuam 15,4% no terceiro trimestre

As vendas no Varejo, descontada a inflação, registraram queda de 15,4% no terceiro trimestre frente a igual período de 2019.

Já o ICVA nominal apresentou retração de 12,0%. De acordo com a Cielo, os desempenhos foram impactados pelos efeitos da COVID-19 em julho, agosto e setembro. Apesar da queda, foi possível verificar uma recuperação das vendas na comparação com o segundo trimestre.