Chuva em SP: comércio estima perda de R$ 110 milhões

Marcelo Hailer Sanchez
Jornalista, Doutor em Ciências Sociais (PUC-SP) e Mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP). Pesquisador em Inanna (NIP-PUC-SP). Trabalhei nas redações do Mix Brasil, Revista Junior, Revista A Capa e Revista Fórum. Também tenho trabalhos publicados no Observatório da Imprensa e revista Caros Amigos. Sou co-autor do livro "O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente" (AnnaBlume).
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Segundo apuração do jornal Folha de São Paulo, a chuva que castigou o estado de São Paulo durante a madrugada de domingo (9) e durante toda a segunda-feira (10) pode causar prejuízo em mais de R$ 140 milhões. Alimentos podem ter os preços inflacionados. A previsão é de chuva constante até quinta-feira (13).

Ainda não é possível saber a totalidade das perdas econômicos e materiais com as chuvas. Mas, ontem lojas shoppings não abriram, pois, os funcionários não conseguiram ir trabalhar, empresários perderam estoques e os negócios foram reduzidos pela ausência de clientes.

A Federação do Comércio do Estado de São Paulo (FecomercioSP) prevê um prejuízo em R$ 110 milhões nas vendas do comércio varejista na região metropolitana. Esse cálculo, segundo a Folha, leva em consideração compras feitas por impulso.

Nos próximos dias, o estrago da chuva deve ser sentido diretamente no bolso dos consumidores. A Ceagesp, maior central de abastecimento de alimentos da América Latina e terceiro maior do mundo, ficou completamente alagado, estragando alimentos e isso pode se reverter na falta de produtos nos próximos dias. O que, de acordo com a reportagem da Folha, pode causar “possível impacto inflacionário”.

Ausência de políticas anticheia 

De acordo com levantamento do jornal O Estado de São Paulo, a prefeitura de São Paulo deixou de gastar R$ 2,7 bilhões em obras de combate a enchente. As gestões de Fernando Haddad (PT), João Doria (PSDB) e Bruno Covas (PSDB) haviam planejado um investimento de R$ 3,8 bilhões, porém, apenas R$ 1,1 bi saiu do papel.

A maior em 77 anos

A chuva paralisou a cidade de São Paulo e várias regiões metropolitanas do estado paulista. De acordo com levantamento do jornal Valor Econômico, entre domingo e segunda-feira foram 114 milímetros de chuva, o segundo maior volume em 24 hora para o mês de fevereiro nos últimos 77 anos.