China usa um app “detector de contato” para avisar se a pessoa esteve próxima a um infectado

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução/Agência Brasil

O governo chinês está divulgando um aplicativo para celular e outros dispositivos móveis que rastreia pessoas e emite um aviso se elas estiverem próximas a alguém infectado com o Covid-19, nome dado pela Organização Mundial da Saúde para o novo coronavírus.

O usuário deve digitalizar um código QR em qualquer aplicativo popular chinês como WeChat, QQ, Alipay. Depois disso, é preciso enviar o próprio nome, número de telefone e número de identificação emitido pelo governo para descobrir se a pessoa manteve contato próximo com alguém infectado pelo vírus. Cada telefone pode checar a situação de até três pessoas.

Se houve contato, o aplicativo determina que a pessoa deva se afastar do convívio social, fique em casa e acione as autoridades. Não se sabe exatamente como o aplicativo faz para saber onde estão os infectados, a não ser que o carregamento de dados é feito por várias agências estatais.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

O Portal UOL afirma que “tanto o Escritório Geral do Conselho de Estado como a Comissão Nacional de Saúde ajudaram na criação do aplicativo, assim como a empresa estatal China Electronics Technology Group Corp., ou CETC”.

A CETC afirmou que recebeu dados de várias agências governamentais para criar o aplicativo incluindo dados da Comissão Nacional de Saúde, do Ministério dos Transportes, da China Railways, a agência que administra as ferrovias do país, e da Administração de Aviação Civil da China.

A informação é da agência de notícias estatal da China, a Xinhua, um dos poucos veículos de comunicações autorizados pelo Partido Comunista a divulgar notícias sobre o Covid-19.

Contato próximo

O conceito de “contato próximo” inclui pessoas que tiveram alguém da família, amigos, cuidadores, estiveram no mesmo voo ou trem que algum infectado ou suspeito de ter o vírus.

A despeito de problemas sobre privacidade, o governo argumenta que essa é mais uma potente ferramenta para bloquear o avanço do Covid-19. Não se sabe como as autoridades usarão mais essa gama de dados que terão à disposição.

O nome do aplicativo não foi divulgado.