China estende feriado do ano novo chinês para ajudar a conter epidemia

Marcia Furlan
Jornalista com mais de 30 anos de experiência. Trabalhou na Editora Abril e Agência Estado, do Grupo Estado, como repórter e editora de Economia, Política, Negócios e Mercado de Capitais. Possui MBA em Mercado de Derivativos pela FIA.

Crédito: Wikimedia Commons

O governo chinês decidiu estender o feriado do ano novo lunar, que terminaria na próxima quinta-feira, por mais dois dias, em razão do surto do coronavírus. A epidemia já matou ao menos 80 pessoas no país e há mais de 2 mil infectados, com casos confirmados em cerca de 14 países.

Desta forma, as negociações nas bolsas de valores de Xangai e Shenzhen, que estão fechadas desde o dia 23 de janeiro, só reabrirão no dia 3 de fevereiro, de acordo com uma fonte ouvida pelo South China Morning Post.

Já a bolsa de valores de Hong Kong, que fica fora do âmbito da Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China (CSRC), será retomada em 29 de janeiro.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

No entanto, a instituição cancelou uma cerimônia do primeiro dia de negociação do ano, que não será realizada pela primeira vez em duas décadas, também em razão do surto.

Prevenção

Ao anunciar a decisão de estender o feriado, o Conselho de Estado da China disse que o objetivo é “fortalecer a prevenção e bloquear a disseminação da epidemia”.

Os setores bancário e de seguros vão suspender ou ajustar os horários de funcionamento, de acordo com a situação de cada localidade, recomendou a Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China (CBIRC).

A entidade também orientou que os bancos permitam o pagamento em atraso de algumas contas a pessoas que tenham sido prejudicadas pelo coronavírus.

Empresas de turismo e transporte, bastante afetadas pelas medidas de contenção da epidemia, devem receber taxas de juros mais baixas sobre empréstimos, informou o CBIRC.