Chefe de gabinete aponta março como limite para renegociação da dívida argentina

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: ALEJANDRO PAGNI / AFP

Março é a data limite para a Argentina renegociar dívidas de aproximadamente US$ 100 bilhões com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e uma série de outros credores.

Pelo menos foi isso o que afirmou o chefe de gabinete do presidente Alberto Fernández, Santiago Cafiero, ao jornal La Nación do último domingo (15).

Segundo a agência Reuters, Cafiero disse ao jornal argentino que o governo pretende impor, nesta segunda-feira, uma taxação de 20% sobre bens e serviços comprados em dólares americanos.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a soluções customizadas de acordo com seu perfil

“O time econômico está negociando”, afirmou o chefe de gabinete. “Temos que tentar resolver as questões da dívida para que, fundamentalmente, se encaixem dentro de um programa macroeconômico sustentável”, emendou.

O chefe de gabinete ainda revelou que parte da estratégia envolve o novo ministro da Economia, Martín Guzmán. O parlamentar deve viajar aos Estados Unidos para reuniões com credores antes do final do ano.