Cesar Paiva, o Oráculo de Londrina, é um dos convidados da 4ª Money Week

Karin Barros
Jornalista com atuação nos dois principais jornais impressos da Grande Florianópolis por quase 10 anos. Costumo dizer que sou viciada em informação, por isso me encantei com a economia, que une tudo de alguma forma sempre. Atualmente também vivo intensamente o mundo da assessoria de imprensa e do PR.

Crédito: Reprodução Twitter

Cesar Paiva, o investidor paranaense conhecido como o Warren Buffett brasileiro, é um dos convidados da 4ª edição da Money Week, maior evento online e gratuito sobre investimentos do Brasil, que acontece entre os dias 24 e 28 de maio.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo

Para se inscrever na Money Week clique neste link!

Sem qualquer influência dos pais para as finanças, Paiva é atualmente um dos investidores mais bem sucedidos do Brasil.

Iniciando seus investimentos aos 17 anos, quando concluía o ensino médio, hoje ele é fundador da Real Investor, uma empresa que começou como um club de investimento, e em 2012 se tornou um fundo que administra mais de R$ 1,9 bi.

A Real Investor cresceu 10 vezes em 10 anos.

Trajetória

Aprofundar seus conhecimentos desde cedo foi o pontapé inicial do sucesso na carreira.

Ele passou a estudar sobre os grandes investidores da época até se deparar com o grande ídolo, Warren Buffett.

O primeiro emprego foi ainda na adolescência, logo após ingressar no ensino superior. César trabalhou durante dois anos em uma agência do banco Bradesco, ao qual vendia planos de capitalização, previdência, entre outros.

Na trajetória acadêmica, ele se formou em administração pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), e concluiu os MBAs em Finanças e Gestão Empresarial, pela Fundação Getúlio Vargas.

Reconhecimento de mercado

Com o trabalho sempre baseado e inspirado pelas ideologias de Warren Buffett, Paiva foi ganhando o interesse do mercado financeiro.

Buffett é um investidor adepto ao conceito de Value Investing, ou seja, mantém boa parte da sua carteira com ações e títulos em estratégias de longo prazo.

Quanto mais estudava seus métodos, mais o brasileiro se identificava com esse estilo de aplicação.

Em entrevistas, Paiva diz que Londrina, sua cidade natal, lembra muito Omaha – cidade natal de Warren – pela quantidade de habitantes, e que por isso ele acreditava ser possível abrir uma gestora independente fora do eixo Rio-SP, como o ídolo fez nos EUA.

Números que surpreendem

Em 12 anos da criação da Real Investor, seus números eram impressionantes. Ele chegou a uma rentabilidade acumulada de 1.500% com cota recorde de valorização de 1 para 16,00.

Hoje são 38 mil investidores no fundo com sede em Londrina (PR).

Afirma que o segredo sempre foi acertar grande e errar pequeno. Um desses casos foi com as ações da Saraiva (SLED4) que foi, dentro da trajetória da Paiva, uma “armadilha de valor”, que na terminologia financeira chama-se Value Trap.

A Real Investor adquiriu a Saraiva em 2014 a um preço médio de R$ 16 e vendeu a R$ 9, conferindo uma perda de 45%.

O golpe foi duro, mesmo que diluído em uma carteira de ações, mas serviu de aprendizado para o gestor da Real Investor, que, “seletivamente contrário ao senso comum” viu em uma empresa ao primeiro olhar sem solução, uma oportunidade de ouro para investir.

Por ser adepto a essa forma destemida de investir e estar fora dos grandes centros financeiros – assim como Buffet – Cesar Paiva ganhou o apelido de Oráculo de Londrina, uma alusão ao ídolo, que é conhecido como Oráculo de Omaha.

Para participar e se inscrever gratuitamente na Money Week, clique aqui!