Cemig (CMIG4) tem mudança acionária; Direcional (DIRR3) paga JCP

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)
1

Crédito: Divulgação

A Cemig (CMIG4) informou, nesta segunda (19) que o Banco Clássico, adquiriu, por meio do seu fundo exclusivo FIA Dinâmica Energia, o montante de 200 mil ações ordinárias da companhia.

A negociação totalizou o valor de R$2,44 milhões.

Dessa forma, o FIA Dinâmica Energia passou a deter 101.538.777 de ações on (20%) e 50.860.372 ações PN da (5,03% no total).

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Esse volume representa, assim, 10,03% do capital total da empresa, segundo o comunicado.

“O Banco Clássico visa, com essa operação, diversificar os investimentos em energia elétrica do FIA Dinâmica Energia”, explica comunicado da Cemig.

“Ao mesmo tempo, procura direcionar parte dos investimentos do banco para o setor de infraestrutura do país”, complementa.

Direcional (DIRR3) paga JCP no valor total de R$ 120 milhões

A Direcional (DIRR3) anunciou nesta segunda que fará a distribuição de dividendos como aprovado em reunião do Conselho de Administração, 5 de outubro de 2020.

O valor total é de R$ 120,3 milhões.

Assim, esse valor corresponde a R$ 0,81 por ação.

Os dividendos serão pagos em 21 de outubro de 2020 e não estão sujeitos a atualização monetária ou juros.

“Fazem jus ao recebimento de dividendos os acionistas detentores de ações da companhia na data base de 9 de outubro de 2020”, lembra a Direcional.

Moura Dubeux (MDNE3): Sul América atinge 5,85% das ações

A Moura Dubeux (MDNE3) comunicou ao mercado que a Sul América Investimentos atingiu participação equivalente a 4.970.600 ações ordinárias da companhia.

Esse montante corresponde a aproximadamente 5,85% do capital social.

Novo na bolsa de valores? Veja como pessoas físicas impactam o mercado

FIIs de agências bancárias precisam se reinventar

Por que a poupança é o principal investimento do brasileiro?