CEEE aprova cisão parcial das áreas de geração e transmissão

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Em fato relevante divulgado nesta sexta (19), a Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica (CEEE) comunicou a cisão parcial da Companhia com versão da parcela cindida para a Companhia Estadual de Geração de Energia Elétrica (CEEE-G)

As alterações no estatuto social da Companhia, decorrentes da cisão parcial, estão sujeitas à aprovação da Agência Nacional de Energia Elétrica –ANEEL.

Vale destacar que a cisão parcial ensejará o direito de retirada, uma vez que implicará em mudança do objeto social. Isso porque a atividade preponderante da incorporadora não coincidirá com a decorrente do objeto social da CEEE, dado que a incorporadora desenvolverá apenas as atividades de geração, e não as atividades de transmissão.

Simule o rendimento de seus investimentos em Renda Fixa e calcule retorno das aplicações

Dessa forma, os acionistas dissidentes terão o direito de retirar-se da Companhia, mediante o reembolso do valor das suas ações, no prazo de 30 dias contados da publicação da ata que aprovou a cisão.

O direito de retirada será assegurado aos acionistas titulares de ações ordinárias e preferenciais de emissão da Companhia no pregão do dia 28 de janeiro.

Deste modo, não terão direito de retirada os acionistas que tiverem adquirido ações de emissão da Companhia a partir de 29 de janeiro (inclusive).

Neonergia (NEOE3) não participará do leilão da CEEE-D                                

Em teleconferência com analistas de mercado realizada na quarta (10), o presidente da Neoenergia (NEOE3), Mario Ruiz Tagle, revelou que a Companhia não pretende participara do leilão da CEEE-D, previsto para os próximos meses.

“Não está previsto participar do leilão da CEEE ou de outra que possa vir à venda em 2021. Queremos entregar o que temos prometido” afirma.

Dessa forma, a Companhia prevê para 2021 um ano de entregas após um 2020 focado em investimentos importantes em  transmissão, geração renovável e na privatização da CEB (DF). Os investimentos totais para este ano estão estimados em R$ 10 bilhões.