CCR (CCRO3) vence leilão da via Dutra com outorga de R$ 1,77 bi

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

A CCR (CCRO3) venceu nesta sexta-feira (29), na B3, o leilão pela concessão do bloco de rodovias formadas pela a BR-116, a rodovia Presidente Dutra e por trecho da Rio-Santos entre Rio de Janeiro e Ubatuba (SP), batendo a única rival na disputa, a Ecorodovias (ECOR3).

A CCR ofereceu deságio de 15,31% sobre valor do pedágio. O valor é o desconto máximo permitido, conforme edital, além de uma outorga de 1,77 bilhão de reais.

O sistema tem extensão de 625,8 quilômetros. O primeiro trecho, com 355,5 quilômetros, é a Via Dutra, principal ligação rodoviária entre Rio de Janeiro e São Paulo e atualmente operado pela CCR. O segundo, com 270,3 quilômetros, liga o Rio de Janeiro a Ubatuba, no litoral paulista.

De acordo com o contrato, são 30 anos de concessão, com investimentos projetados de 14,8 bilhões de reais. O edital prevê a implantação da nova Serra das Araras, um trecho de 16,2 quilômetros. Além disso, a duplicação de 80,2 quilômetros da BR-101/RJ, faixas adicionais, novas vias marginais, passarelas e pontos de parada para caminhoneiros, entre outros.

De acordo com especialistas ouvidos pelo Valor Econômico, a avaliação era de que não houve um esforço muito grande por parte do governo para atrair novos investidores para essa disputa.

Ou seja, não houve a realização de mais road shows como forma de apresentação do projeto a investidores internacionais. Além disso, o tempo de 60 dias para se preparar para o leilão foi considerado curto.

Responsável pela movimentação de quase metade do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, a Dutra é considerada a “joia da coroa” nas concessões rodoviárias pelo tráfego e por ligar duas das regiões mais ricas do Brasil.