CCR (CCRO3) nega negociações para venda de 50% da Rodovias do Tietê

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução / Rodovias do Tietê

A CCR (CCR03) informou nesta segunda-feira (8) que não negocia com a Latache a venda de 50% das Rodovias do Tietê. A empresa teve que vir a público depois que o jornal O Globo publicou matéria dizendo que havia tal negociação.

“O Grupo CCR está sempre analisando novas oportunidades de negócios que permitam o fortalecimento de sua posição de liderança no seu setor de atuação, sendo certo que, entretanto, não há nesta data qualquer negociação em curso com a Latache relacionada ao tema objeto de tal notícia”, diz a empresa em nota.

CCR e as rodovias em questão

Em abril de 2009, a Concessionária Rodovias do Tietê assinou contrato de concessão de 30 anos do Corredor Leste da Rodovia Marechal Rondon. São 415 quilômetros de rodovias e acessos. A concessionária pagou, em 18 meses, R$ 542 milhões a títulos de outorga fixa.

​Segundo informa a empresa, o trecho concedido é constituído pela SP-101 (Rodovia Jornalista Francisco Aguirre Proença), SP-113 (Rodovia Dr. João José Rodrigues), SP-308 (Rodovia Comendador Mário Dedini), SP-300 (Rodovia Marechal Rondon), SP-209 (Rodovia Prof. João Hipólito Martins) e SPI-162/308 (Contorno de Piracicaba- Rodovia Ernesto Paterniani) interligando 25 municípios do interior do estado de São Paulo.

​Durante o período de concessão, serão investidos mais de R$ 1,3 bilhão na duplicação de mais de 90 quilômetros de vias, construção de 73 quilômetros de vias marginais, 87 quilômetros de faixas adicionais, 148 quilômetros de acostamentos e 24 passarelas.

Wilson Sons (WSON33) registra alta de 2,8% no movimento

A Wilson Sons (WSON33) divulgou nesta segunda-feira o movimento em seus terminais durante o mês de maio.

Na comparação com maio de 2019, houve acréscimo de 2,8%, saindo de 80,9 TEU (Twenty Foot Equivalent Unit, o tamanho padrão de contêiner intermodal de 20 pés), para 83,2 TEU em 2020.

O Tecon Rio Grande (RS) contribuiu tendo alta de 6,4%, saindo de 54,9 TEU em 2019 para 58,4 TEU em 2020.

Por sua vez, o Tecon Salvador teve queda de 4,7%, saindo de 26 TEU em 2019 para 24,8 TEU em 2020.

Na comparação entre os primeiros cinco meses do ano de 2019 e de 2020, houve queda de 0,9% do movimento, saindo de 404,6 TEU para 401 TEU este ano.