CCR (CCRO3): conheça a empresa de concessão que foi a primeira a integrar o Novo Mercado

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Uma das maiores empresas de concessão de infraestrutura da América Latina, o Grupo CCR (CCRO3) foi o primeiro a ingressar no Novo Mercado da B3 (antiga BM&FBovespa).

Fundada em 1999, a CCR é uma das cinco maiores companhias de gestão de mobilidade da América Latina, atuando em concessões de infraestrutura em cinco países e também em diversas capitais brasileiras.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

A CCR integra o Ibovespa e os índices ISE, ICO2, IGC, IBrX-50, IBrX-100 e MSCI Latin America. Hoje a empresa 15 mil pessoas.

Vamos conhecer melhor a companhia?

Sobre o Grupo CCR (CCRO3)

O Grupo CCR (CCRO3) é considerado o líder do segmento de concessões no Brasil com 19% (3.959,1 Km) do controle das rodovias sob gestão da iniciativa privada.

A CCR criou em 2018 quatro núcleos de atuação independentes que agrupam unidades de negócios por temas afins. São eles: CCR Lam Vias, CCR Infra SP, CCR Aeroportos e CCR Mobilidade.

As empresas são responsáveis por gerir os atuais negócios da companhia, além de desenvolver e pesquisar novas oportunidades no mercado primário e secundário, dentro e fora do Brasil.

História da empresa

O Grupo CCR (CCRO3) foi fundado em 1999, com atuação nos segmentos de concessão de rodovias, mobilidade urbana, aeroportos e serviços.

Hoje, a empresa é responsável por 3.955 quilômetros de rodovias da malha concedida nacional, nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, sob a gestão das concessionárias NovaDutra (SP-RJ), ViaLagos (RJ), RodoNorte (PR), AutoBAn (SP), ViaOeste (SP), RodoAnel (SP), SPVias (SP), Renovias (SP), MSVia (MS), ViaSul (RS) e ViaCosteira (SC).

A CCR foi também responsável pelo primeiro contrato de concessão de rodovia do país, com a CCR Ponte, responsável pela Ponte Rio-Niterói no período de junho de 1995 a 31 de maio de 2015.

O Grupo CCR (CCRO3) atua ainda em negócios correlatos, como no setor de transmissão de dados de alta capacidade por meio da Samm, empresa prestadora de serviços de comunicação multimídia e conectividade IP com mais de 4.700 quilômetros de fibra óptica subterrânea e aérea.

Além disso, o Grupo CCR (CCRO3) está presente no segmento de transporte de passageiros por meio das concessionárias ViaQuatro, ViaMobilidade, Barcas e Metrô Bahia.

O grupo ingressou, em 2012, no setor aeroportuário, com a aquisição de participação acionária nas concessionárias dos aeroportos internacionais de Quito (Equador), San José (Costa Rica) e Curaçao. No Brasil, possui a concessionária BH Airport, responsável pela gestão do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Em 2015, adquiriu a TAS (Total Airport Services), empresa norte-americana prestadora de serviços aeroportuários.

Os negócios da companhia

O Grupo CCR (CCRO3) é uma das maiores companhias de concessão de infraestrutura da América Latina.

Com atuação nos segmentos de rodovias, mobilidade urbana, aeroportos e serviços, o Grupo CCR (CCRO3) trabalha com quatro núcleos de negócios, responsáveis pela gestão tanto dos atuais quanto dos novos negócios.

  • CCR Lam Vias: responsável pelas concessões das rodovias federais, tais como NovaDutra, ViaLagos, RodoNorte, MSVia, ViaRio, ViaSul e ViaCosteira.
  • CCR Infra SP: responsável pelas concessões das rodovias do Estado de São Paulo, tais como AutoBAn, ViaOeste, RodoAnel, SPVias e Renovias.
  • CCR Mobilidade: responsável pelas concessionárias ViaQuatro, ViaMobilidade, Barcas, Metrô Bahia e VLT Carioca.
  • CCR Aeroportos: responsável pelas concessionárias BH Airport (Aeroporto Internacional de Belo Horizonte), Quiport (Aeroporto Internacional de Quito, Equador), Aeris (Aeroporto Internacional de San José, Costa Rica), CAP (Aeroporto Internacional de Curaçao, Antilhas Holandesas) além das TAS (Total Airport Services, nos Estados Unidos), empresa de prestação de serviços aeroportuários.

Sobre a CPC

A Companhia de Participações em Concessões (CPC) é uma das empresas do Grupo CCR, e tem por objetivo avaliar as oportunidades de novos negócios, atuando tanto no mercado primário, em processos de licitação, quanto no mercado secundário, sendo responsável pela administração direta de eventuais novos negócios.

A CPC detém, desde 2008, a participação de 40% da Renovias, concessionária de rodovias do Estado de São Paulo.

Em outubro de 2010, a CPC passou a controlar 100% da CCR SPVias, concessionária de rodovias do Estado de São Paulo e, em 2012, assumiu 80% do capital social da concessionária CCR Barcas, a quarta maior operadora de transporte aquaviário do mundo.

A CPC também possui 46,5% da Quiport, operadora do Aeroporto Internacional de Quito, no Equador, 97,15% da Aeris Holding Costa Rica S.A., operadora do Aeroporto de Juan Santamaría, na Costa Rica, e 79,8% de participação na Curaçao Airport Partners NV, concessionária do aeroporto de Curaçao.

Modelo de negócios

Quase a totalidade de receita da companhia advém da cobrança de pedágios nas rodovias em que opera. Em 2020, 71,3% da receita bruta (excluindo-se a receita de construção) adveio da tarifa de pedágio, 1,2% de receitas acessórias e 27,5% de outras receitas (ViaQuatro, Barcas, STP, Aeroportos, SAMM, Metrô Bahia, TAS e ViaMobilidade).

O Grupo CCR opera o pedágio manualmente e por meio de identificação automática, utilizando sistemas eletrônicos de pagamento implantados nas rodovias administradas pela companhia.

Os principais fatores que influenciam a receita operacional bruta são os números de veículos pedagiados que utilizam as rodovias concedidas e as tarifas, que são reajustadas pela inflação de acordo com índices gerais e do setor de construção.

O tráfego nas rodovias em que o grupo opera foi de 1.004,0 milhões em 2020, comparado a 1.034,6 milhões de veículos equivalentes em 2019, 986,5 milhões de veículos equivalentes em 2018.

Estratégia do Grupo CCR (CCRO3)

Dentre os objetivos da empresa estão a busca pela viabilização de soluções de investimentos e serviços em infraestrutura, contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico e para a melhoria da qualidade de vida dos usuários. As estratégias do Grupo CCR (CCRO3) são as seguintes:

  • Expandir e diversificar a rede de concessões em que opera.
  • Maximizar os benefícios de se combinar a gestão do portfólio. Assim, a empresa busca maximizar eficiências operacionais em cada concessão, sinergia entre as concessionárias e inovação.
  • Explorar e desenvolver oportunidades em negócios relacionados.

Desempenho do último balanço

A companhia registrou prejuízo de R$ 44 milhões no 2TRI21. No mesmo período do ano passado, o resultado negativo foi de R$ 142,1 milhões.

O tráfego consolidado cresceu 33,7% no 2TRI21. Isso se explica pelas medidas de isolamento social menos intensas quando comparadas ao mesmo período do ano passado. Excluindo-se a Via Sul e a Via Costeira, o crescimento do período foi de 28%.

O Ebitda ajustado da CCR (CCRO3) no 2TRI21 cresceu 65,4%, com margem de 60,7% (aumento de 12,4 p.p.)

Valorização das ações da CCR (CCRO3)

No último mês, contando até 15 de setembro, as ações da CCR tiveram uma desvalorização de 4,38%. Assim, passaram de R$ 11,88 em 16 de agosto para uma cotação de R$ 11,36 em 15 de setembro.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

CCR

Nos últimos 6 meses, a desvalorização foi ainda maior: -6,43%. Em 16 de março as ações eram cotadas a R$ 12,14 contra os atuais R$ 11,36.

CCR

No acumulado deste ano, a desvalorização das ações da CCR foi de -14,39%. Assim, passou de uma cotação de R$ 13,27 para R$ 11,36 de 15 de setembro.

CCR

Por outro lado, desde o IPO da empresa, em fevereiro de 2002, as ações da CCR valorizaram 923%. Isso por que as ações eram cotadas a R$ 1,11 em fevereiro de 2002 contra os R$ 11,36 de 15 de setembro.

CCR

Maiores acionistas

Os maiores acionistas da CCR (CCRO3) são Andrade Gutierrez Participações S.A., com 14,86%, Sucea Participações S.A. (antiga Camargo e Corrêa), com 13,32%, e Soares Penido Concessões S.A., com 10,43%.

Do total de ações em circulação no mercado, há 53.645 investidores pessoas físicas, 397 pessoas jurídicas e 1.164 investidores institucionais.

Há um total de 1.115.693.556 ações em circulação no mercado da CCR (CCRO3).

CCR