Medida judicial tenta impedir BNDESPar de comprar ações

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/iStock Photos

Uma medida cautelar tenta impedir BNDESPar de comprar novas ações de empresas até que a Justiça avalie se os procedimentos adotados pelo banco ocorreram dentro dos objetivos da instituição.

A medida foi solicitada pelo subprocurador-geral do Ministério Público, Lucas Furtado, junto ao Tribunal de Contas da União (TCU).

Suspeitas

Para ele, o BNDES Participações (BNDESPar) está sob suspeita depois que notícias veiculadas pela imprensa trouxeram à tona que o BNDES solicitou propostas a bancos para venda da sua participação na JBS.

A empresa JBS pertence aos irmãos Joesley e Wesley Batista, citados em casos de corrupção.

O BNDESPar é braço do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que investe diretamente em empresas, por exemplo, comprando ações dessas companhias.

Furtado alega que “é público e notório que a JBS engendrou esquema de fraudes para beneficiar políticos do PSDB e do PT” e que “não é absurda a conclusão de que as aquisições de participação acionária pelo BNDESPar tenham sido decididas de acordo com motivações que punham em primeiro plano interesses particulares e privados em detrimento de interesses coletivos e públicos”.

LEIA MAIS:

Petrobras arrenda fábricas de fertilizantes por R$ 177 milhões

As melhores (e as piores) previdências privadas