Casa própria NÃO é um investimento

Késia Rodrigues
Colaboradora Independente do Portal EuQueroInvestir e leitora assídua de conteúdos sobre economia e política. Apaixonada por tecnologia, investimentos e viagens.

Para muitos brasileiros, comprar a casa própria é sinal de sucesso na vida, afinal, você está morando no que é seu!

Será mesmo?

Há um mito na sociedade brasileira de que uma pessoa só é bem-sucedida quando consegue ter um imóvel próprio… uma casa para chamar de “sua”, mesmo que tenha sido financiada.

Seus avós, seus pais e até amigos próximos já devem ter falado bastante sobre isso com você, não é mesmo?!

Em um país cuja educação financeira é largamente desprezada, as pessoas, principalmente as de mais idade, ainda acham que a casa própria é o melhor investimento que uma pessoa pode fazer na vida.

A casa própria pode ter suas vantagens, mas não… definitivamente não pode ser chamada de investimento.

“Mas como assim?! Imóveis valorizam… eu pago x hoje e vendo mais caro amanhã…”

Aposto que você pensou isso nesse exato momento e, provavelmente, deve ter se chocado quando disse que casa própria não é investimento.

Pois bem, meus amigos. No post de hoje eu tentarei te mostrar que existe um mundo maravilhoso (e rico) para além do sonho do imóvel próprio.

Duvida? Então continue a leitura e descubra por que casa própria não é investimento.

O que é um investimento?

Investimento é tudo aquilo que te traz algum lucro, seja no curto ou no longo prazo.

Esse lucro pode vir de variadas fontes, como juros ou mesmo a venda de algum ativo. O importante é que, para cada real gasto, o retorno deve ser maior do que o valor pago.

Falamos sobre isso recentemente em nosso artigo “Carro NÃO é um investimento”. Confira clicando no link.

Apesar de a valorização ser algo real no caso dos imóveis e que, de alguma forma, possa te trazer lucro, há outros fatores que você precisa avaliar para saber se, efetivamente, está lucrando alguma coisa com um imóvel.

Os custos de manutenção de uma casa, tais como IPTU, condomínio, reformas e por aí vai podem acabar retirando boa parte do lucro que você poderia obter com a valorização desse imóvel.

Além disso, se considerarmos os efeitos da inflação, pode ser que esse lucro inexista ou, pior, que se torne negativo – ou seja, um prejuízo.

Ainda temos que pensar em um outro fator muito importante, que é a forma como esse imóvel foi adquirido. Você comprou à vista ou financiou?

Se a sua resposta foi “financiei”, tenho apenas algo a dizer… você pode ter feito o pior negócio de sua vida.

O financiamento pode até permitir que você realize o sonho da casa própria, mesmo sem ter todo o dinheiro necessário para comprá-la. No entanto, ele cobra o seu preço… e é altíssimo.

Quer saber por que o financiamento é um péssimo negócio? Confira no próximo tópico.

Financiamento: o maior vilão do seu bolso

Sabe quem fica muito feliz quando você faz um financiamento imobiliário? Muita gente!

O banco, a construtora e as incorporadoras, principalmente.

Infelizmente, por falta de planejamento ou de educação financeira, muitos brasileiros acabam preferindo comprar um imóvel financiado no lugar de juntar o dinheiro e comprá-lo à vista, o que seria muito melhor.

O tempo médio de um financiamento imobiliário é de 30 anos e, nesse período, o imóvel pertencerá ao banco.

Isso mesmo. Aquele apartamento financiado a perder de vista não é seu, por mais que você seja quem more nele.

Ter a posse é diferente de ser o dono. Você já viu por aí a quantidade de imóveis que estão disponíveis para leilão?

Cada um deles é uma pessoa que realizou o sonho da casa própria, mas não teve condições de mantê-lo por uma série de motivos.

A parcela de um financiamento pode até não pesar no seu bolso quando você fecha o negócio, no entanto, você já parou para pensar no futuro?

Nossas vidas são dinâmicas, ou seja, hoje você tem um emprego, ganha bem, tem carro, viaja todo ano e pode se dar ao luxo de comprar a casa própria financiada.

Amanhã isso pode mudar, seja para melhor ou para pior.

Assim, antes de fazer uma dívida tão longa, pense bem se tudo estará como agora daqui há 20, 25 ou 30 anos.

Eu não quero fazer você desistir dos seus sonhos, mas desejo sinceramente que você pense bem antes de tomar decisões como essa para que o seu sonho não se transforme no seu pior pesadelo.

Um imóvel de R$ 200 mil financiado em 30 anos, depois de contabilizadas as taxas e os juros da transação, pode acabar chegando ao dobro desse valor.

Alguns bancos permitem que você faça amortizações ou que pague as últimas parcelas para reduzir os juros, no entanto, você ainda acabará pagando quase dois imóveis no final das contas.

E quem vai sorrir com isso? O banco, é claro…

A valorização dos imóveis

Um dos fatores que levam as pessoas a acreditar que casa própria é um investimento é o fato de os imóveis sofrerem um processo de valorização.

Aquele apartamento que você comprou na planta por R$ 150 mil, na data da entrega pode ter o seu valor aumentado entre 10% a 20%, o que é muito comum.

No entanto, o que as pessoas esquecem de levar em consideração é que esse valor de mercado de um imóvel é apenas uma referência de quanto efetivamente ele vale.

No atual momento do nosso país, em que várias pessoas têm que reduzir aos máximos os seus gastos para conseguir sobreviver, muitos são os imóveis que estão à venda, você já reparou?

Em cada rua brasileira há, pelo menos, um imóvel à venda. Eu, particularmente, reparo bastante esse detalhe na região em que moro.

Com tanta oferta, devido a baixa demanda, os preços dos imóveis tendem a cair, não em seu valor efetivo, mas na prática.

Tenho um colega que comprou um apartamento que vale R$ 250 mil por apenas R$ 200 mil à vista. Como ele conseguiu?

Bem, o proprietário do imóvel precisava de dinheiro e já esperava há mais de dois anos por um comprador para esse imóvel.

Nesse caso em específico, o proprietário tinha duas opções: colocar o dinheiro no Bolso e tirar os seus planos do papel ou continuar esperando até que apareça alguém disposto a pagar aquilo que o apartamento efetivamente valia.

O que você acha que ele iria preferir?

Assim, comprar um imóvel pensando que ele irá valorizar pode ser como um lance de sorte. Por um lado, você até pode lucrar algum dinheiro com a venda, mas também poderá perder dinheiro se ninguém te oferecer o que você pediu.

Imóvel x investimentos: qual é o melhor?

Agora que eu já te expliquei que casa própria não é um investimento, chega a hora de conhecermos a diferença entre um imóvel e um investimento de verdade.

Como citei anteriormente, um investimento é aquilo em que você coloca o seu dinheiro com a expectativa de ter lucro no final.

Ao comprar a casa própria, o seu objetivo não é lucrar imediatamente com esse imóvel, não é mesmo?! O comum é que as pessoas comprem a casa própria para morar nela, daí o motivo de ela não poder ser considerada um investimento.

Além disso, junto a esse imóvel chegam outras obrigações que você precisará cumprir, como cobrir os custos de possuir e manter esse bem.

Mesmo que você venda essa casa após vários anos, talvez não consiga recuperar nem o que gastou durante esse tempo, mesmo que ela seja vendida a um valor maior do que o da compra.

Por exemplo, se você compra uma casa por R$ 200 mil hoje e, após 30 anos, consegue vendê-la a R$ 500 mil, desse valor você precisará considerar tudo aquilo que gastou com o imóvel e, também, o custo da inflação.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Dessa forma, o ganho efetivo com essa venda pode ser menor do que você imagina.

Existem pessoas que compram imóveis com o objetivo de alugá-los e ter, assim, uma renda. Para eles, esse é um ótimo investimento, afinal, dá até para pensar em uma aposentadoria tranquila com esse dinheiro.

No entanto, o que muitos se esquecem é que até mesmo os imóveis alugados possuem um custo para o proprietário e, além disso, quem garante que você terá sempre um inquilino morando ali?

Isso é muito relativo.

Já os investimentos, por sua vez, são diferentes dos imóveis.

Neles, a rentabilidade varia de acordo com uma série de indicadores e com o movimento do mercado.

Os produtos de renda fixa, por exemplo, são uma ótima forma de aumentar o seu patrimônio financeiro sem correr riscos. A renda variável, por outro lado, apesar de oferecer alguns riscos, pode aumentar o seu dinheiro bem mais rápido do que você imagina.

Para isso, é importante que você estude um pouco e conheça os tipos de investimentos possíveis no mercado financeiro.

Além disso, também é importante contar com pessoas especializadas e que possam te indicar as melhores aplicações para o seu dinheiro, como os assessores de investimentos da EuQueroInvestir.

Uma das principais diferenças entre os imóveis e os investimentos está justamente na liquidez, que é a facilidade de se transformar um bem em dinheiro.

Quando você compra um imóvel, mesmo que à vista, o seu dinheiro fica imobilizado, ou seja, a liquidez é baixa.

Isso porque, para retirar algum dinheiro daquilo que você investiu para comprar esse imóvel será preciso vender o imóvel.

Já no caso dos investimentos, essa liquidez é bem maior, pois, caso você precise de uma parte do dinheiro aplicado para fazer alguma coisa, poderá retirar esse valor sem afetar o restante do valor investido.

Crédito da imagem: Banco de Imagens EnvatoElements/By BrianAJackson.

O custo de oportunidade

Um conceito muito interessante e que tem total relação com o assunto que estamos tratando é o de custo de oportunidade.

Quando você compra um imóvel, o risco de não ter liquidez é muito maior, logo, a venda desse imóvel deveria ser mais rentável do que ter deixado esse dinheiro rendendo em aplicações de renda fixa.

Contudo, nem sempre isso é o que acontece.

Para te ajudar a entender melhor esse conceito, te convido a assistir a aula a seguir, que faz parte do nosso curso Jornada do Investidor.

Nela, Juliano Custódio explica em detalhes o que é o custo de oportunidade e como ele pode afetar a sua vida:

Considerações finais

Apesar de toda a polêmica que esse assunto gera, espero que agora você tenha conseguido compreender o porquê de a casa própria não ser considerada um investimento.

Na verdade, ela está mais ligada ao sonho das pessoas e tem um forte apelo emocional. Por isso, se esse é o seu sonho, vá em frente. Ter dinheiro é bom, mas ser feliz é mais importante.

O que eu quis te mostrar nessa breve explanação é o quanto você pode perder se continuar achando que os imóveis são a única forma de ganhar dinheiro, pois, na realidade, eles não são.

Faça conosco um teste de perfil de investidor. Cada pessoa tem um estilo como investidor e ele faz toda a diferença, pois permite descobrir em quais aplicações você teria mais sucesso.

Espero ter te ajudado a refletir sobre esse assunto. Caso tenha alguma dúvida sobre investimentos, entre em contato com um de nossos assessores de investimentos.

Se considera um investidor conservador? Então você está em risco de extinção!

O cenário econômico virou do avesso e o país já não é mais o mesmo.

As taxas de juros caíram à níveis jamais vistos no Brasil desde o final do governo Militar (imagem abaixo) e levaram os rendimentos de Renda Fixa para próximo de Zero (ou negativos no caso da poupança).

Italian Trulli

A nova equipe econômica está incentivando novos investimentos no país, e com isso já não é mais possível ganhar dinheiro confortavelmente na poupança e em CDBs comuns. Por isso, estamos declarando a Extinção do Investidor Conservador.

Se você faz parte dessa espécie de investidor que está em risco de extinção, confirme seus dados no formulário abaixo e fale com nossa equipe. Vamos te ajudar, sem dor e sem custo.