Carne pode ser taxada na UE, propõem ONGs da Holanda

Tatiane Lima
Jornalista, redatora sênior. Tecnóloga em Recursos Humanos e MBA em Comunicação e Marketing. Apaixonada por empreendedorismo criativo. Atuei nos três setores, com hard news, jornalismo on, off e redação publicitária.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Parlamento Europeu recebeu, nesta quarta-feira (05), uma proposta de “imposto da carne”, apresentada por representantes de organizações não governamentais da Holanda. O projeto das ONGs gira em torno das questões de custo e impacto ambiental.

Segundo declaração de Jeroom Remmers, diretor de uma das ONGs, à Agência Efe, o objetivo é envolver diversos países da Europa. “A ideia é aumentar o preço em toda a União Europeia, para que seja reflexo do impacto ambiental, derivado das emissões de CO2 e da perda da biodiversidade.”

De acordo com a oferta, o imposto seria inserido progressivamente aos valores das carnes, com início em 2021. Assim, os aumentos começariam por 47 centavos de euro, a cada 100 gramas de carne bovina e de vitelo. Já a carne de porco subiria 36 centavos de euro, por 100 gramas; enquanto a de frango aumentaria 17 centavos, a cada 100 gramas. A escolha dos valores considerou os custos ambientas para cada tipo de carne, sendo a bovina o mais alto. Para as ONGs estes seriam os ‘preços justos de carne’.

Conquiste sua Independência Financeira. Conheça os 4 Pilares para Investir

A partir da implantação, a recomendação das organizações é de que o “imposto da carne” comece gradual e passe a ser total até 2030. Desta forma, seria possível incluir todos os custos ambientais nos preços de venda. Além de incentivar a redução do consumo de carnes e, consequentemente, à diminuição de emissão de gases poluentes. Somente na Europa, a emissão de CO2 atingiu o índice de 120 milhões de toneladas.

Possível impacto do ‘imposto da carne’

Apesar de os produtores da Holanda se mostrarem favoráveis à proposta, ainda há receios. Conforme Remmers, alguns se sentem apreensivos pelo possível impacto da queda do consumo de carnes, que levará ao corte de produção. Por outro lado, o recolhimento de impostos somaria 32,2 bilhões de euros anuais (150,3 bilhões de reais) aos cofres da União Europeia. Para as ONGS, este valor poderia ser investido para o auxílio das localidades mais pobres. Assim como em pesquisa para a adoção de práticas e soluções de sustentabilidade.