Caixa Seguridade suspende IPO pela segunda vez

Marcia Furlan
Jornalista com mais de 30 anos de experiência. Trabalhou na Editora Abril e Agência Estado, do Grupo Estado, como repórter e editora de Economia, Política, Negócios e Mercado de Capitais. Possui MBA em Mercado de Derivativos pela FIA.
1

Crédito: Divulgação

A Caixa Seguridade informou nessa quinta-feira (24) que irá suspender de novo o processo para abertura de capital. O comunicado ao mercado diz que a controladora Caixa Econômica Federal decidiu pedir à CVM a interrupção da análise da documentação do registro da oferta pública de ações ordinárias da Caixa Seguridade. E, adicionalmente, pedir a B3 a interrupção da análise para listagem no segmento do Novo Mercado.

O motivo, de acordo com o comunicado, é a atual conjuntura do mercado.

A Caixa protocolou o primeiro pedido na CVM em fevereiro desse ano, mas suspendeu em março, no início da crise causada pelo coronavírus. Em julho, informou que havia retomado as discussões e em agosto confirmou o pedido. A Caixa Seguridade previa levantar R$ 10 bilhões na oferta, segundo afirmou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães. As discussões sobre abertura de capital do braço de seguros da Caixa se arrastam ao menos desde 2017.

No segundo trimestre deste ano, a Caixa Seguridade reportou um lucro líquido de R$ 393,9 bilhões, avanço de 2,7% em relação ao mesmo período do ano passado. No semestre, o valor foi de R$ 807,9 milhões, alta de 5,2%.

Outras desistências

Outras empresas que também anunciaram intenção de abrir capital no boom de IPOs este ano desistiram. A mais recente foi a BR Partners, que comunicou ontem, quando definiria o preço de suas ações, que estava suspendendo o processo. O banco de investimentos disse que vai esperar condições de mercado mais favoráveis. A perspectiva era de captar R$ 885 milhões.

Outras empresas que desistiram foram a You Inc e Riva 9, ambas de construção civil, setor que ainda assim lideram os IPOs esse ano.