Caixa Seguridade define faixa de preço e pode levantar até R$ 5,7 bilhões em IPO

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

A Caixa Seguridade definiu a faixa de preços de seu IPO (Oferta Pública Inicial) e pode levantar até R$ 5,7 bilhões com a oferta.

A holding de seguros da Caixa Econômica Federal definiu que a faixa de preços vai de R$ 9,33 a R$ 12,67 por ação.

A empresa havia reapresentado pedido de IPO em 2 de março deste ano.

O avanço do IPO da Caixa Seguridade ocorre a despeito do ambiente da maior aversão às estatais no Brasil diante de episódios de interferência do governo Bolsonaro em companhias como Petrobrás e Banco do Brasil.

Assim, a estratégia da empresa, que vem monitorando o humor mercado de mercado, é vender uma fatia menor na oferta base.

A ideia da Caixa é oferecer somente 15% do negócio, e ainda um lote adicional.

Follow on

Mais adiante, com a companhia já listada, o banco poderia fazer uma oferta secundária, o chamado follow on, conforme antecipou o Estadão/Broadcast.

Conforme mostrou o Estadão, várias empresas estão desistindo de abrir o capital neste momento, por conta do avanço da Covid-19 e também do aumento dos ruídos políticos, que acabam atrapalhando a economia.

No passado, a oferta da Caixa Seguridade era estimada em R$ 15 bilhões, e o objetivo do banco público era avaliá-la entre R$ 50 bilhões e R$ 60 bilhões. Agora, esse deve ser o patamar a ser alcançado nos próximos anos, após ser listada em Bolsa, equiparando-se, assim à BB Seguridade, que vale R$ 49,5 bilhões na B3.

A operação é conduzida pela Caixa, ao lado de Morgan Stanley, Bank of America, Itaú BBA, Credit Suisse e UBS BB. O Banco do Brasil também está na operação e será responsável por incrementar a oferta junto ao varejo, ao lado da Caixa.