Caixa anuncia R$ 500 bi em créditos habitacionais e redução de juros

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Flickr

Nesta quarta-feira (14), o presidente da Caixa Econômica, Pedro Guimarães, anunciou redução na taxa de financiamento da casa própria para pessoa física, com recursos da poupança.

O banco, que concentra 69% do crédito imobiliário no país, atingiu a marca de R$ 500 bilhões na carteira de crédito habitacional hoje.

As informações são da Agência Brasil.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

O piso passa de 6,5% para 6,25%, mais a taxa referencial (TR) ao ano.

Já o teto caiu de 8,5% para 8% mais TR. As novas taxas entram em vigor no próximo dia 22 de outubro para novos financiamentos.

De acordo com o banco, a estimativa é de conceder mais de R$ 14 bilhões em crédito imobiliário com uso de recursos da poupança até o fim de 2020.

Nos últimos 22 meses, a Caixa reduziu os juros nos financiamentos da casa própria em 2,5 pontos percentuais.

Renovação da pausa na prestação

Segundo o anúncio, a Caixa ainda faz renovação da pausa de 6 meses nas prestações da casa própria.

A pausa conta apenas para contratações até 30 de dezembro deste ano.

A prorrogação valerá para novos contratos destinados ao financiamento de imóveis novos.

Assim, os clientes pessoas físicas podem iniciar o pagamento do encargo mensal, composto de juros e amortização, após seis meses da contratação, mas apenas para aquisição de imóveis novos.

Nesse período, eles pagarão seguros e taxa de administração do contrato.

Pagamento parcial

A Caixa também anunciou a possibilidade de pagamento parcial da prestação para mutuários. A medida vale principalmente para os que têm dificuldade para retomarem o pagamento integral das parcelas.

O cliente poderá pagar 75% da prestação, por até seis meses, ou entre 50% a 75%, por até três meses. Conforme o banco, a medida poderá beneficiar mais de 620 mil clientes.

A Caixa prevê que mais de 30 mil clientes serão beneficiados até o fim do ano.

“Isso é muito importante, porque ainda estamos com os efeitos da pandemia. Apesar de o preço dos imóveis estarem se recuperando, entendemos que há enorme espaço para a população continuar a realizar seu investimento na casa própria”, declarou Guimarães.

Digitalização

Guimarães informou que os tradicionais Feirões da Casa Própria vão ser realizados de forma virtual em outubro e novembro. Segundo ele, o formato online atende às necessidades do cliente e do mercado.

Além disso, para agilizar as contratações e evitar deslocamentos até as agências, a Caixa estenderá a todos os clientes a possibilidade de contratar o financiamento imobiliário pelo aplicativo Caixa Habitação.

Até então, o serviço 100% digital estava disponível apenas nas principais cidades do país.

Atualmente, 2,3 milhões de clientes acessam os serviços por meio do aplicativo. Entre janeiro e setembro de 2020, a ferramenta registrou 326 mil transações diárias.

R$ 500 bilhões em crédito

As medidas foram anunciadas após o banco atingir em outubro o recorde de R$ 500 bilhões na carteira para o crédito imobiliário. No total, são 5,6 milhões de contratos.

O crescimento foi de 13,4% em relação a janeiro de 2019, alcançando o total de R$ 441 bilhões.

Entre janeiro de 2019 e setembro de 2020, o valor da concessão foi de R$ 172 bilhões em financiamentos imobiliários.

Foram atendidas 2,8 milhões de pessoas.

Com esses números, a Caixa passou a ter participação de 69,3% no mercado imobiliário. Para as classes mais baixas, a participação é de 97,4%.

Em agosto, 44,9% dos contratos de financiamento da casa própria foram feitos pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

Entre janeiro e agosto deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, o aumento na modalidade de empréstimo com recursos da poupança foi de 102,7% – de R$ 14,51 bilhões para R$ 29,4 bilhões.

Entre as razões para esse aumento estão taxas de juros pelo IPCA e uma taxa fixa para o financiamento, implantação da carência de 6 meses para pagamento das prestações por causa da pandemia e financiamento das despesas com cartório e ITBI.