Caixa e Sebrae oferecem R$ 7,5 bi de crédito ao pequeno empresário

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor

Crédito: Marcelo Camargo / Agência Brasil

A Caixa Econômica Federal e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) anunciaram nesta segunda-feira (20) convênio para ofertar crédito a micro e pequenas empresas e microempreendedores individuais (MEI).

O montante que será disponibilizado é de R$ 7,5 bilhões, o equivalente a 1% da carteira do banco estatal, e administrado pelo Fundo de Aval para as Micro e Pequenas Empresas (Fampe), do Sebrae.

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães disse, em videoconferência com a participação do presidente do Sebrae, Carlos Melles, “que o crédito vai atender a um dos segmentos mais afetados pela redução na atividade econômica com as medidas de isolamento social adotadas em razão da pandemia do novo coronavírus”, informou a Agência Brasil.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

“Esta operação é extremamente importante porque oferece o crédito para uma parcela do segmento da economia que não tem tido a oportunidade dessa oferta ultimamente”, disse.

Condições

De fato, os pequenos empresários e MEI são os que mais sofrem nessa crise, no momento em que enfrentam quarentena determinadas por estados e municípios e queda brusca da demanda.

Os empréstimos terão período de carência que pode chegar a 12 meses para começar a ser pagos.

O pagamento pode ser parcelado de 24 a 36 meses e as taxas aplicadas, segundo Guimarães, serão 40% menores do que as praticadas pelo banco.

“A Caixa sempre foi um banco de apoio a esse segmento. Neste momento vamos acelerar o movimento que já existia. Temos um momento muito especial dado esse problema todo de saúde que faz com que haja um reforço muito grande da nossa estratégia”, afirma Guimarães.

Os MEI podem acessar até R$ 12,5 mil de crédito, com carência de 9 meses e taxas de juros de 1,59% ao mês, com prazo de dois anos para o pagamento.

Já as micro empresas terão à disposição linhas de até R$ 75 mil, com carência de 12 meses, a taxas de 1,39% ao mês e até 30 meses para pagar.

As empresas de pequeno porte poderão acessar até R$ 125 mil em crédito, com juros de 1,19% ao mês, carência de 12 meses e prazo de pagamento de até 36 meses.

Impacto

A Agência Brasil informa também que a oferta de crédito pode atingir 42 milhões de pessoas, de acordo com projeção do presidente do Sebrae, Carlos Melles.

As micro e pequenas empresas e MEI interessados no acesso aos recursos devem acessar o portal da Caixa para manifestar o interesse.

“Vamos fazer um credito assistido, que vai ser acompanhado administrativamente pelo Sebrae e pela Caixa Econômica”, disse Melles.

Operação lucrativa para a Caixa

A Caixa pode aumentar o volume de crédito, mas apenas se as operações forem lucrativas para o banco e se houver bastante demanda: “as operações só serão realizadas se for para a Caixa ganhar dinheiro. Nós não fazemos operação de subsídio para ninguém neste governo”

Para ter acesso a essa linha especial de crédito, micro e pequenas empresas precisam ter faturamento máximo de R$ 4,8 milhões por ano, estar com as contas em dia e ter mais de 12 meses de abertura, informa o portal UOL.

Ainda é pouco

Segundo o colunista do UOL, Paulo Ribeiro, professor da FGV e pesquisador do Insper, “programas de suporte às pequenas e médias empresas durante crise do coronavírus nos EUA representam 4,43% do PIB (Produto Interno Bruto), enquanto no Brasil são 0,62% do PIB”.

“O governo americano anunciou dois programas de suporte aos pequenos empreendedores”, escreve o professor, “o Main Street Lending Program (Main Street) e o Paycheck Protection Program (PPP). O primeiro está injetando, via novos empréstimos ou ampliação de empréstimos existentes, US$ 600 bilhões para empresas de pequeno e médio porte. O segundo já disponibilizou US$ 349 bilhões em empréstimos perdoáveis para micro e pequenas empresas manterem em dia a folha de pagamentos”.

No Brasil, ele compara, “o governo federal lançou dois pacotes de apoio às empresas pequenas. Em março, a expansão em R$ 5 bilhões dos recursos destinados à linha de financiamento BNDES Crédito Pequenas Empresas, com o respectivo aumento do limite financiável para R$ 70 milhões. Em abril, iniciou-se o Programa Emergencial de Suporte a Empregos (Pese), um crédito emergencial de R$ 40 bilhões para financiar dois meses de folha de pagamentos de pequenas e médias empresas”.

O crédito da Caixa junta-se a esse valor, mas está mais para um produto de oportunidade do banco do que um programa incentivado pelo governo.

Reprodução / UOL
Reprodução / UOL

LEIA MAIS
Caixa recebe 32 milhões de solicitações de auxílio emergencial

Caixa anuncia nova linha de crédito de R$ 43 bilhões para o setor imobiliário