Petrobras (PETR4): Cade prorroga prazos para venda de refinarias de gás

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Site Portal Você

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) anunciou que estendeu o prazo para que a Petrobras (PETR4) venda suas refinarias e ativos de gás natural.

Segundo o órgão, no entanto, “os desinvestimentos foram adiados por conta do cenário econômico decorrente da pandemia”, mas precisam ser feitos ainda neste ano.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Com a prorrogação, foram alterados os prazos de assinatura dos acordos de venda entre a Petrobras e os eventuais compradores dos ativos.

Os novos prazos da Petrobras

O novo acordo deu para a Petrobras até o dia 30 de abril para a venda da transportadora de gás Nova Transportadora do Sudeste (NTS).

O Cade informou ainda que termina em 30 de junho o prazo para a alienação da participação acionária indireta da estatal em companhias distribuidoras, “seja alienando suas ações na Gaspetro, seja buscando a alienação da participação da Gaspetro nas companhias distribuidoras”.

Outro prazo definido foi o de que a Petrobras tem até 31 de julho para a venda das seguintes unidades: Refinaria Isaac Sabbá, Refinaria Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste, e Refinaria Alberto Pasqualini.

Termina em outubro, no dia 30, as alienações da Unidade de Industrialização de Xisto, Refinaria Gabriel Passos, e da Refinaria Abreu e Lima.

A última venda, referente à Refinaria Presidente Getúlio Vargas, terá que ser feita até 31 de dezembro pela Petrobras.

]”O prazo para a conclusão e efetivação das vendas permanece o mesmo para todas as operações: 31 de dezembro de 2021″, concluiu o Cade.

Acordos históricos

O Cade divulgou ter fechado em 2019 o que chamou de “dois acordos históricos com a Petrobras”.

Segundo o órgão, o primeiro Termo de Compromisso de Cessação (TCC), assinado em junho daquele ano, suspendeu o inquérito administrativo que apurava suposto abuso de posição dominante, por parte da estatal, no mercado de refino de petróleo.

Pelo acordo, a Petrobras se comprometeu a vender oito refinarias, incluindo os ativos relacionados a transporte de combustível. A medida visa aumentar a concorrência no mercado nacional de refino, até então explorado quase integralmente pela empresa, por meio da entrada de novos agentes que atrairiam investimentos para o setor.

Já o TCC no mercado de gás natural foi celebrado entre Cade e Petrobras em julho de 2019. O objetivo principal do acordo é mitigar os principais problemas estruturais desse mercado, também explorado quase integralmente pela Petrobras. O Termo de Compromisso estimula a entrada de novas empresas e de novos investimentos nacionais e internacionais no setor.

Pelo acordo, a estatal se comprometeu a vender as transportadoras Nova Transportadora do Sudeste, Transportadora Associada de Gás e Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil. A empresa também concordou em alienar sua participação acionária indireta em companhias distribuidoras. A assinatura do TCC suspendeu investigações em curso na autarquia sobre supostas condutas anticompetitivas da empresa no mercado de gás natural.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3