C&A (CEAB3) tem queda de 41,9% no lucro líquido do 4TRI20

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: C&A

A C&A (CEAB3) apresentou no quarto trimestre de 2020 um lucro líquido pró-forma de R$ 116,3 milhões, redução de 41,9% em relação ao 4T19.

A margem líquida pró-forma foi 6,7% reduzindo 4,8 p.p.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

No ano de 2020, o prejuízo líquido pró-forma da C&A foi de R$ 131 milhões com margem líquida pró-forma negativa de 3,2%.

Os dados pró-forma desconsideram o impacto do IFRS16 e do registro do ganho de crédito fiscal referente à exclusão de ICMS na base de cálculo do PIS/COFINS em 2019.

Ebitda ajustado da C&A cai 43%

No quarto trimestre, o Ebitda ajustado pró-forma foi R$ 164,3 milhões, uma redução de 43,1%.

A margem Ebitda ajustada pró-forma ficou em 9,4%, reduzindo 7,2p.p.

No ano de 2020, o Ebitda ajustado foi negativo em R$ 58,5milhões com uma margem Ebitda ajustada pró-forma negativa de 1,4%.

Receita fica estável no trimestre, mas cai 22% no ano

A receita líquida total da C&A foi de R$ 1,7 bilhão no 4TRI20, alta de 0,3% ante o mesmo período de 2019.

No ano consolidado, como resultante dos impactos da pandemia, a receita líquida da C&A foi 22,7% inferior a 2019, totalizando R$ 4, 085,5 bilhões.

A receita do vestuário apresentou queda de 2,4% enquanto a do Fashiontronics aumentou 13,3%. Observando o conceito de vendas de mercadorias nas mesmas lojas (Same Store Sales), o indicador ficou 0,8% inferior ao 4T19. No negócio de Vestuário, o indicador ficou 3,3% menor e no de Fashiontronics 12,4% maior.

“Durante o quarto trimestre, observamos uma recuperação gradual e consistente das vendas, principalmente nas lojas físicas, até o final do mês de novembro. Contudo, com o aumento do número de casos de Covid-19 em diferentes localidades e, por consequência, a imposição de novas restrições operacionais, o mês de dezembro – muito relevante para o comercio varejista de moda, foi negativamente impactado. Como resultado, o trimestre ficou estável em relação ao ano passado após dois meses iniciais de boas vendas”, explica a C&A no balanço.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

Outros destaques da C&A

  • No quarto trimestre de 2020, as despesas operacionais pró-forma somaram R$ 672,4 milhões, montante 11,7% maior que o valor do 4T19;
  • O quarto trimestre de 2020 foi intenso na abertura de novas unidades: 6 lojas das 10  abertas no ano de 2020. Agora a C&A tem 295 lojas em operação;
  • A operação de e-commerce e a evolução do Galeria C&A, marketplace, mantiveram um crescimento relevante que resultou em um GMV (Gross  Merchandise Value) total de R$ 205,6milhões; representando crescimento de 278% em relação ao 4T19; em 2020, o GMV foi de R$ 658,5 milhões, crescimento de 290%;
  • A receita líquida online da C&A no trimestre foi de R$ 157,3milhões, aumento de 279% em relação ao ano anterior; em 2020 tal receita totalizou R$ 509,1 milhões, um aumento de 297%.