BTG: Via Varejo (VVAR3) tem trimestre sólido e forte desempenho online

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

A Via Varejo (VVAR3) reportou um sólido conjunto de resultados no terceiro trimestre, com forte desempenho do online, avalia o BTG Pactual (BPAC11).

Apesar do efeito negativo do fechamento de lojas durante a pandemia, os resultados da Via Varejo foram positivos, com alavancagem operacional dos principais destaques positivos.

Veja os resultados do terceiro trimestre.

Consulte os melhores diálogos e insights da Money Week.

Indicadores maiores no 3TRI20

O GMV (volume bruto de mercadorias) online da Via Varejo cresceu 219% a/a (mas caiu 20% em relação ao 2T20). Ele foi impulsionado pelo desempenho na operação de marketplace (GMV até 83% a/a).

A empresa atingiu 8 mil vendedores no 3TRI20 (vs. 6 mil vendedores no 2T20) e 5 milhões de SKUs (vs. 4,2 milhões no último trimestre). Por outro lado, as vendas de celulares responderam por 80% do GMV online (o aplicativo representa 27% do GMV de comércio eletrônico).

Segundo o BTG, a Via Varejo teve 80% das lojas abertas em julho. Mas o valor aumentou para 100% em setembro.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

“Assim, como resultado, as vendas brutas da operação B&M cresceram 3,7% no trimestre, com SSS (same store sales) crescendo 4,3%, enquanto as vendas de comércio eletrônico aumentaram 278% a/a, levando a um aumento de 41% nas vendas brutas consolidadas”, diz o BTG.

Já a receita líquida da Via Varejo atingiu R$ 7,8 bilhões (+ 37% a/a e 2% abaixo das expectativas).

Inadimplência menor da Via Varejo

O lucro bruto ajustado da Via Varejo (excluindo R$ 455 milhões de efeitos não recorrentes, principalmente ICMS e créditos tributários de PIS/Cofins) aumentou 29% a/a (2,5% abaixo da expectativa), enquanto a margem bruta atingiu 29,6% (-180bps a/a e 20bps abaixo do esperado).

O Ebitda ajustado da empresa foi de R$ 627 milhões (alta de 105% a/a). Já a margem Ebitda ajustada foi de 8% (+270 bps a/a e 30 bps acima do esperado). Assim, o indicador foi ajudado pelo forte desempenho de vendas e alavancagem operacional no período.

No período, a inadimplência (acima de 90 dias) atingiu 7,8% da carteira. O histórico neste ano é de 13,5% no 2T20, 6,8% no 1T20 e 7,6% no 3T19.

Recomendação de compra

Os resultados trimestrais corroboram a dinâmica sólida da Via Varejo, diz o BTG.

“Sustentando nossa classificação de compra da empresa, apoiado pela migração mais rápida dos consumidores do offline para o online, investimentos na plataforma 3P e forte demanda por categorias mais discricionárias no semestre”.

Por fim, a recomendação é de compra, mas a um preço alvo de R$ 13. Na manhã desta quinta-feira, a ação estava sendo negociada a R$ 18,84.

 

Se você quer saber mais sobre o mercado de ações e como investir, preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato.