BTG (BPAC11): Petrobras (PETR4) adota prudência no plano 2021-2025

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

O BTG Pactual (BPAC11) divulgou uma análise nesta terça-feira (01) do plano estratégico detalhado da Petrobras (PETR3, PETR4) para 2021-2025. Na segunda-feira a empresa anunciou que planeja distribuir neste período entre US$ 30 bilhões e US$ 35 bilhões em dividendos.

Segundo o BTG Pactual, os mercados estão decepcionados com a curva de crescimento da produção do novo plano da Petrobras (cerca de 5% abaixo do plano anunciado um ano atrás). A empresa afirmou que as metas de crescimento da produção podem ser sacrificadas enquanto a empresa visa um critério de alocação de capital ainda mais criterioso.

“Isso sem dúvida vem como uma mudança dramática para uma empresa onde o crescimento sempre vem primeiro. A gestão está tentando garantir que toda a empresa esteja alinhada e o uso de métricas EVA como parte das metas de 2021 é mais uma prova disso. A mensagem de uma desalavancagem mais forte, dividendos mais altos e um maior compromisso com ESG foi presente ao longo da apresentação”, analisa o BTG.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a opções de investimentos de acordo com seu perfil. Invista em suas Escolhas

Mas o que alguns chamam de conservadorismo, os analistas Thiago Duarte, Pedro Soares e Daniel Guardiola chamam de prudência.

Plano foi aprovado em 25 de novembro.

Petrobras: máquina de fazer dinheiro

Segundo o BTG, o maior foco na eficiência de capital da Petrobras foi resumido da seguinte forma: novos investimentos precisam ser economicamente viáveis a US $35/Brent e, ao mesmo tempo, ter baixa emissão de carbono.

Mesmo a recente recuperação do barril do tipo Brent não deve mudar isso, de acordo com para a gestão, o que explica por que o novo plano de investimentos de 5 anos agora está 28% abaixo dos níveis do ano passado.

“Se as vendas de ativos forem incluídas, a curva de produção de 5 anos implica que não haverá crescimento em relação a 2020, embora também implique que o pré-sal atingiria 80% da produção de petróleo (contra 69% em 2020)”, diz o BTG.

Segundo os analistas, mais do que nunca, a Petrobras se tornará uma máquina de dinheiro.

Vendas de ativos da Petrobras

As vendas de ativos foram novamente um tema importante para a Petrobras.

A empresa espera levantar US$ 25-35 bilhões até 2025. Assim, o valor é suficiente para financiar quase metade de seu plano de investimentos, diz o BTG.

Os principais são: venda de 8 de suas 13 refinarias (avaliadas em U$ 9 bilhões); participações na BRDT e Braskem (avaliadas em U$ 3,5 bilhões); mais de 200 ativos em terra e águas rasas, juntamente com gás e ativos de energia, incluindo Gaspetro.

A assinatura da venda das três primeiras refinarias pode acontecer no início de 2021, de acordo com a Petrobras.

Do fluxo de caixa livre ao fluxo de dividendos

Considerando o fluxo orgânico de dinheiro, o BTG espera que a Petrobras atinja seu limite de aumento de dividendos (dívida bruta de US$ 60 bilhões e abaixo de 2x a alavancagem líquida) em algum momento de 2022.

Incluindo as receitas das vendas de ativos, isso pode acontecer mais cedo e aumentar ainda mais os dividendos.

A Petrobras tem como meta um prazo de 5 anos para pagamento de dividendos de U$ 30-35 bilhões, incluindo receitas da venda de ativos – valor em linha com a expectativa do BTG de U$ 30 bilhões.

“Isso representa um rendimento médio anual de dividendos de 11,6%. Assim, os acionistas da Petrobras podem estar a um ano ou mais de distância dos rendimentos de dividendos de dois dígitos”, afirmam os analistas do BTG.

Ajustando estimativas

Embora a recente alta tenha tornado o valuation da Petrobras mais palatável, os números ainda são subestimados.

“Um portfólio resiliente e muito mais enxuto de ativos de exploração e produção de classe mundial e de baixo custo pode estar prestes a sofrer uma redução maciça do risco político – e isso não pode ser ignorado”, diz o BTG.

Mas os analistas ainda veem geração de caixa de U$ 9,4 bilhões e $ 11 bilhões em 2021 e 2022. Enquanto o rendimento de dividendos de dois dígitos sugere que a Petrobras ainda tem um longo caminho a percorrer para reduzir a lacuna de avaliação dos indicadores.

“Estamos ajustando nossas estimativas para refletir o novo plano estratégico”, diz o BTG.

Assim, o preço-alvo para PETR4 está em R$ 34. A ação estava em R$ 25,43 às 10h30 desta terça-feira.