BTG Pactual (BPAC11) faz joint venture para criar empresa de gestão esportiva Win the Game

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: BTG/Divulgação

A Holding do BTG Pactual (BPAC11) se une ao empresário Claudio Pracownik, dono da empresa Fix Delivery Partners, para criar a Win the Game (WIN). A nova companhia faz parte do setor de negócios e gestão financeira para o segmento esportivo. A BTG Pactual terá 50% da WIN, e a Fix, outros 50%.

De acordo com o sócio do BTG, Iuri Rapoport, o objetivo da WIN é tratar o esporte como entretenimento. Além disso, contribuir para o aumento da profissionalização deste universo e contribuir com soluções para fomentar negócios. Iuri Rapoport será Presidente do Conselho da WIN.

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

A ideia da WIN é ir além da profissionalização da gestão de clubes, associações e entidades desportivas. Sob um novo ângulo, a empresa irá apoiar a carreira de atletas, prestar consultoria e assessoria financeira e de marketing, trabalhar na reestruturação de passivos, inventário de ativos digitais, criação de novas receitas, gestão patrimonial e analisar oportunidades de investimentos no setor de forma geral.

Conforme Pracownik, ex-sócio do BTG Pactual, será CEO da companhia. “A proposta da empresa é gerar impacto positivo em todo o ecossistema de esporte e entretenimento. Atletas, produtores e donos de conteúdo, distribuidores, patrocinadores e consumidores finais”, explica.

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

Com o avanço das plataformas de streaming, os esportes e e-sports competem diretamente com outras formas de entretenimento. “Hoje todos disputam o que os consumidores têm de mais valioso e escasso: seu tempo”, complementa Pracownik.

Sobre o segmento

O segmento esportivo global movimenta US$ 750 bilhões anuais, conforme a consultoria Sports Value. Se ampliada para setores próximos do esporte, o volume ultrapassa os US$ 840 bilhões por ano.

A expectativa de retomada do segmento, duramente impactado pela pandemia, somada à necessidade de profissionalização da gestão do setor no Brasil, abre grande oportunidade para o desenvolvimento de soluções inovadoras que criem novas receitas e negócios para o setor.

Neste contexto, nasce a WIN. A empresa já tem em seu pipeline operações de crédito, mandatos de compra e venda de clubes, projetos de reestruturação financeira e originação de novas receitas para grandes clubes de futebol e negócios envolvendo ativos digitais.

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.