BTG Pactual (BPAC11): resultados da Qualicorp (QUAL3) foram poluídos por eventos pontuais

Regiane Medeiros
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Divulgação Qualicorp

Em relatório, o BTG Pactual (BPAC11) declarou que os resultados da Qualicorp (QUAL3) para o 4º foram poluídos por vários eventos pontuais como: R$ 32 milhões de prejuízo da Gama; R$ 29 milhões em despesas de consultoria relacionadas à venda da QSaúde; R$ 2 milhões com demissão de executivo, entre outros.

Em suma, a receita líquida caiu 1%, para R$ 515 milhões, em linha com o BTG Pactual.

Excluindo os R$ 68 milhões em eventos não recorrentes, o Ebitda ajustado teria totalizado R$ 190 milhões, aproximadamente 23% abaixo do estimado pelo banco.

Já o lucro líquido contábil foi de R$ 69 milhões, alta de 14,8% mas 46% abaixo da projeção do banco.

De acordo com os analistas do BTG, a Qualicorp voltou a apresentar uma perda líquida orgânica (-4,4 mil vidas) impulsionada por: 81 mil cancelamentos na Afinidade médica, ajudados pelo adiamento dos aumentos de preços; e mais 76,6 mil adições brutas em Affinity Health Lives.

“Além dos números poluídos do quarto trimestre, a parte recorrente dos resultados (ou seja, perda líquida orgânica, redução do ticket médio e alavancagem operacional negativa) ainda mostra as perspectivas pouco claras para a Qualicorp, especialmente em termos de crescimento da receita”, pontuou o BTG, que afirmou ainda:

“ A nova estratégia da empresa certamente parece promissora, mas ainda precisa ser comprovada e validada”.

Dessa forma, após atualizar as estimativas, o BTG Pactual alterou o preço-alvo de R$ 36,00 para R$ 33,00, com posição neutra.

Qualicorp tem alta de 12,4% no lucro líquido do 4TRI20

A administradora de planos de saúde Qualicorp (QUAL3) apresentou alta de 12,4% no lucro líquido do quarto trimestre de 2020.

Assim, a empresa passou de um lucro de R$ 60,1 milhões (4TRI19) para R$ 67,6 milhões (4TRI20). Segundo a empresa, a alta foi devido à redução de despesas não-recorrentes e melhora no resultado financeiro, ajudado ainda por menores amortizações.

No consolidado anual o lucro líquido subiu 5,3%. Assim, saltou de R$ 372 milhões (2019) para R$ 392 milhões (2020).