BTG Pactual (BPAC11) recomenda compra em papéis da Santos Brasil (STBP3)

Regiane Medeiros
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução/Facebook Santos Brasil

Em relatório, o BTG Pactual (BPAC11) se mostrou otimista com o desempenho da Santos Brasil (STBP3) e reiterou sua classificação de compra, com preço-alvo em R$ 6,00.

De acordo com o documento, o BTG irá “atualizar em breve” seu modelo para a companhia. Nesta quarta-feira (7), por volta das 15h30, as ações STBP3 valorizavam-se 6,20%, cotadas a R$ 7,19.

O Guidance da Companhia para 2021, divulgado na noite de terça (6), apresentou Ebitda entre R$ 400-450 milhões, bem acima das estimativas do BTG que esperava R$ 299 milhões.

“A forte projeção do Ebitda está principalmente relacionada ao aumento de preços acima do esperado – estávamos considerando um número muito menor em nossos modelos”, destacou o banco.

Sobre o crescimento de volume de 11% a 20%, o BTG vê uma ligeira desaceleração de volume em relação aos volumes de pico do primeiro trimestre.

“O início do ano se beneficiou enormemente da forte recuperação do comércio global nos últimos meses, principalmente impulsionada pela sólida demanda de comércio eletrônico”.

Já o Capex de R$ 250-300 milhões se refere principalmente à continuação das obras da Fase 1 do Tecon Santos. As intensas obras do cais permitirão à empresa desbloquear uma capacidade adicional de 400 mil TEUs / ano até 2023-24.

A Santos Brasil divulgou, também na noite de terça, a conclusão das negociações e o estabelecimento de um novo acordo comercial do Tecon Santos com a Maersk.

De acordo com a empresa, os termos e condições comerciais e operacionais pactuados substituem o reajuste contratual expirado em 31 de março de 2021 e, entre outras coisas, estabelecem novas tarifas de serviços e uma duração de contrato anterior para o período a partir de 1º de abril, 2021 a 31 de março de 2023.

Para os analistas do BTG, a assinatura do contrato com a Maersk é um marco importante para a Santos Brasil, uma vez que a Maersk continua sendo o maior cliente no Tecon Santos.

Muitos motivos para estar otimista

Entre os motivos citados pelo BTG Pactual para se manter otimista com a Santos Brasil, estão:

  • Ambiente regulatório melhorado para o porto nos últimos anos, que vai desde um vasto gasoduto de novos portos a serem leiloados até um marco regulatório atualizado (BR do Mar e Lei dos Portos), além da decisão de privatizar as docas;
  • Forte recuperação da indústria naval nos últimos meses, levando a preços recordes de frete para as empresas de navegação e uma recuperação impressionante no volume de movimentação nos pontos principais, incluindo o Tecon Santos;
  • Conclusão recente das principais oscilações regulatórias, como a remodelação de capex no Tecon Santos;
  • Posição de caixa mais forte (R$ 1 bilhão de caixa no quarto trimestre) para explorar novas oportunidades de investimento em portos e logística .

Diante dos fatos, o BTG Pactual reforça que é comprador dos papeis da Companhia.