BTG Pactual (BPAC11): Hypera vem com resultado forte no 3TRI21

Osni Alves
Jornalista desde 2007. Passou por redações e empresas de comunicação em SC, RJ e MG. E-mail: oalvesj@gmail.com.
1

Crédito: Cade deve autorizar acordo entre Hypera (HYPE3) e Boehringer, mas com ressalva

O BTG Pactual (BPAC11) analisou que Hypera (HYPE3) reportou uma receita forte, no terceiro trimestre (3TRI21) estando esta 3% acima do que projetava, e com vendas crescendo 14%.

Com isso, o banco recomenda compra da ação, com preço-alvo em R$ 45 por ação até o final de 2022.

“O sell-out subindo 13,7% a/a – excluindo as aquisições do Buscopan e da Takeda – são 1,4p.p. acima da média do mercado (vs. + 23% no 2T21 e + 11,5% no 1T21), impulsionado por um sólido crescimento em medicamentos crônicos prescritos, skincare e genéricos”, informou o relatório.

E acrescentou que “a companhia também se beneficiou da integração das carteiras da Takeda e Buscopan, gerando R$ 1,6 bilhão em receita líquida, alta de 50% a/a (+ 18,7% a/a ex-aquisições) e 3% acima de nossas estimativas”.

“A margem bruta atingiu 63,9%, queda de 10 bps a/a e 10 bps abaixo de nossa projeção, impactada principalmente por um câmbio menos favorável (impacto negativo de 110 bps) e aumento de remarcações para impulsionar o sell-out (- 60 bps a/a), parcialmente compensado pela contribuição positiva das carteiras da Takeda e Buscopan”, aponta outro trecho do relatório.

Hypera (HYPE3) deve ter 2TRI20 positivo por resiliência do setor de saúde, diz Eleven

Hypera

Ainda de acordo com o banco de investimentos, a margem EBITDA foi impulsionada por sinergias de M&A (fusão e aquisição), e as despesas de marketing foram de R$ 275 milhões (16,8% da receita líquida, queda de 180 bps a/a), impulsionadas pelo aumento de consultas médicas remotas e eventos e as sinergias operacionais da integração da Takeda.

Ao mesmo tempo, elencou, as despesas com vendas caíram 280 bps a/a (para 10,9% da receita líquida) e as despesas gerais e administrativas caíram 40 bps (para 3,6% da receita líquida) também impulsionadas pelas sinergias da integração da Takeda e Buscopan.

Já o EBITDA ajustado totalizou R$ 570 milhões, aumento de 69% a/a e 7% acima da estimativa, com margem EBITDA ajustada de 34,9% (+400 bps a/a).

Lucro

O lucro líquido das operações continuadas cresceu + 48% a/a, totalizando R$ 465 milhões, 8% acima da expectativa (já excluindo o impacto negativo de R$ 263 milhões devido ao acordo com a Ontex), apesar do maior endividamento (e despesas financeiras) para financiar a aquisição da Takeda (R$ 4,3 bilhões de dívida líquida vs. R$ 637 milhões de caixa líquido no 3T20).

“Os resultados foram sólidos conforme o esperado e, excluindo o contrato da Ontex, vemos a Hypera pronta para atingir seu guidance anual, de R$ 5,9 bilhões em receita líquida (alta de 44% a/a, beneficiada pela incorporação do Buscopan e da Takeda).

Também com EBITDA de R$ 2 bilhões e lucro líquido de R$ 1,55 bilhão, “embora reconheçamos que a margem bruta de longo prazo deve ser estruturalmente inferior à média histórica da HYPE devido a um efeito mix (maior participação de genéricos e vendas de OTC), as aquisições do Buscopan e Buscofem, o OTC da Takeda e portfólio de medicamentos prescritos, bem como 12 marcas da Sanofi permanecem o alicerce de nossa postura positiva em relação ao nome”.

Veja HYPE3 na Bolsa: