BTG Pactual (BPAC11): CCR (CCRO3) é um potência em mobilidade urbana no Brasil

Regiane Medeiros
Colaborador do Torcedores
1

Conforme relatório divulgado pelo BTG Pactual (BPAC11), a CCR (CCRO3) constitui atualmente uma grande potência em mobilidade urbana no Brasil, detendo ativos em várias regiões, especialmente São Paulo, que é o maior mercado de mobilidade do país.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo

O grande mercado e a melhoria da estrutura regulatória em São Paulo permitiram que a região se desenvolvesse mais rapidamente do que outras.

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

Além disso, a atuação superior da CCR no estado gerou ganhos de escala relevantes que aumentaram sua competitividade.

Em termos de ativos, a divisão de mobilidade urbana CCR é composta por: ViaQuatro, Linha 4 na cidade de SP; ViaMobilidade, que cobre as Linhas 5 e 17 em SP; Metrô Bahia em Salvador; VLT no Rio; e Barcas no Rio (balsa).

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

Além disso, a empresa também venceu o leilão para operar a Linha 15 em SP, mas o contrato ainda não foi assinado.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

CCR vence leilão da CTPM

Na tarde de terça-feira (20), o Consórcio Via Mobilidade, formado pela CCR (80%) e RuasInvest (20%), foi o vencedor das linhas 8 e 9 da Companhia Paulista de Trens Públicos (CPTM).

A CCR ofereceu uma taxa de concessão de R$ 980 milhões (ágio de 203% sobre o preço mínimo), superando três outros grupos.

“O leilão de hoje foi o mais disputado dos últimos anos, após as rodadas recentes terem visto pouca ou nenhuma concorrência”, destacou o BTG.

O projeto das Linhas 8 e 9 cobre 74,1 km do sistema de trem público, incluindo 40 estações em toda a cidade de São Paulo, potencialmente demandando R$ 3,4 bilhões em investimentos para obras de infraestrutura e veículos novos.

De acordo com as estimativas do governo, o projeto das Linhas 8 e 9 foi desenhado com uma TIR real de 8,3%.

“Apesar do alto prêmio oferecido, acreditamos que a CCR é capaz de registrar ganhos de eficiência significativos no projeto, tornando-o atrativo para os acionistas, o que está em linha com o posicionamento recente da nova equipe de gestão” disse o banco.

CCR tem papel ativo na retomada do pipeline de infraestrutura no país

O BTG acredita ainda que a CCR continuará tendo um papel ativo na retomada do pipeline de infraestrutura no país, principalmente em um momento de competição mais fraca.

“Em termos de tese de investimento, vemos dois drivers de valor claros para a CCR: (i) a entrada em novas oportunidades de investimento, e (ii) a assinatura de antigos acordos de rebalanceamento de passivos com o estado de SP”.

Entretanto, no futuro, o BTG Pactual acredita que os investidores provavelmente começarão a questionar o poder de fogo da CCR para apoiar todos os seus investimentos recentemente adquiridos, que incluem os novos aeroportos conquistados na semana passada.

Diante do exposto, o BTG informou que continua comprado nas ações da companhia com preço-alvo de R$ 18,00.

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.