BTG Pactual (BPAC11) compra corretora Necton por R$ 348 milhões

Marcia Furlan
Jornalista com mais de 30 anos de experiência. Trabalhou na Editora Abril e Agência Estado, do Grupo Estado, como repórter e editora de Economia, Política, Negócios e Mercado de Capitais. Possui MBA em Mercado de Derivativos pela FIA.
1

Crédito: BTG (BPAC11)

O BTG Pactual (BPAC11) informou que uma de suas controladas fechou a aquisição de 100% do capital social da corretora Necton Investimentos, pelo valor de R$ 348 milhões.

Esta aquisição faz parte da estratégia de expansão do BTG Pactual no segmento de varejo de investimentos. A intenção do banco é manter a marca e a operação independentes. A Necton é uma companhia com ativos sob custódia (AuC) de R$ 16,1 bilhões.

Segundo comunicado do banco, a conclusão e fechamento da operação ainda dependem da verificação de determinadas condições precedentes, incluindo a obtenção de todas as aprovações regulatórias necessárias, inclusive do Banco Central do Brasil.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

O anúncio reforça o movimento que tem sido visto nos últimos tempos do aumento de interesse dos bancos por corretoras como forma de ampliar sua base de clientes. Entre agosto e setembro, ao menos dois negócios foram fechados: a aquisição de 60% da Toro Investimentos pelo Santander e da Easynveste pelo Nubank.

Antes disso, em julho, o Neon fechou a compra da corretora Magliano Invest, a corretora mais antiga do mercado.

Expansão

O BTG, antes dedicado apenas a investimentos, já tinha dados os primeiros passos para seu avanço na área de varejo, ao lançar dois bancos digitais. O BTG+, um banco de varejo transacional completo, voltado à pessoa física. E o BTG+ business trará soluções, por meio da plataforma digital, para pequenas e médias empresas.

No início de setembro, o BTG Pactual comunicou ter alcançado R$ 535 bilhões em ativos sob sua gestão e administração, na soma das áreas de Asset Management, Wealth Management e do BTG Pactual digital.

O lucro registrado no segundo trimestre foi de R$ 977,4 milhões (contábil), alta de 0,6% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

No semestre, o BTG registrou um lucro de R$ 1,75 bilhões ante um lucro de R$ 1,65 bilhões sobre o mesmo período de 2019.

 

Leia mais:

BTG Pactual (BPAC11) lança o primeiro ETF ESG no Brasil