BTG (BPAC11): JHSF (JHSF3) apresenta resultados sólidos no 4TRI20

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: JHSF / divulgação

A JHSF (JHSF3) relatou resultados sólidos no quarto trimestre de 2020, apesar dos impactos da Covid-19, de acordo com o BTG Pactual (BPAC11). “A recuperação dos shoppings roubou o show”, dizem os analistas.

Com aumento de +111% da receita líquida ano a ano (R$ 395 milhões), o crescimento ficou 3% acima da expectativa prévia.

Destaque também para o Ebitda ajustado, que somou R$ 199 milhões. Ou seja, +173% a/a, com margem de 50% devido a maiores despesas gerais e administrativas.

Guia definitivo sobre Renda Variável  e os Melhores Investimentos para 2021

JHSF teve recuperação impressionante

Segundo o BTG, houve uma recuperação impressionante dos shoppings no período.

“Apesar da Covid-19, os shoppings da JHSF tiveram um desempenho muito bom, com vendas nas mesmas lojas (SSS) crescendo 10,3% a/a e os aluguéis nas mesmas lojas aumentaram 7,1% a/a, de longe o resultado mais forte do 4TRI20 mostrado por qualquer empresa de shopping center listada”, analisam Gustavo Cambauva, Elvis Credendio e Antonio Martins.

Mas outras métricas da JHSF também foram sólidas.

O BTG destaca: o custo de ocupação de 8,2% das vendas dos lojistas (abaixo de 40 bps a/a); e a taxa de ocupação de 97,8%.

Viés positivo para o futuro

Conforme divulgado anteriormente, a JHSF teve um trimestre muito bom em termos de vendas de imóveis, com R$ 378 milhões (+ 193% a/a), impulsionado principalmente pelas vendas da Fazenda Boa Vista (R$ 194 milhões) e Vila Boa Vista (R$ 143 milhões).

A empresa ainda tem cerca de R$ 500 milhões em estoques da Fazenda Boa Vista e grande landbank para as próximas fases da Boa Vista Vila.

Os hotéis e restaurantes da JHSF e seu aeroporto ainda estão sofrendo os impactos da Covid-19 (o Ebitda desses segmentos estava perto do ponto de equilíbrio no 4º trimestre).

Mas, no geral, o BTG destaca que a JHSF reportou um 4T20 sólido, com resultados financeiros acima do esperado.

“Mais importante era a boa recuperação dos shoppings da JHSF (crescimento de SSS e SSR a / a no 4T é realmente impressionante) e a demanda por seus projetos habitacionais continua forte (conforme o esperado). Nós temos um viés positivo de como a JHSF deve se beneficiar muito com o bom momento de habitação no Brasil (taxas de juros baixas) devido ao seu grande banco de terrenos e shoppings resilientes (principalmente visando consumidores sofisticados), por isso mantemos nossa classificação de compra”, afirmam os analistas.

O preço-teto sugerido para o ativo é de R$ 11.