BTG (BPAC11): Hypera (HYPE3) inova no resiliente setor farmacêutico

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Hypera

A Hypera (HYPE3) tem inovado dentro do competitivo e resiliente setor farmacêutico, avalia o BTG Pactual (BPAC11) após participar do Dia do Investidor na última sexta-feira (09).

Em análise publicada nesta segunda (12), o banco afirma que a administração da Hypera deu detalhes sobre a visão de longo prazo da empresa.

Entre os objetivos está o fortalecimento de seu portfólio por meio de inovação e M&A; maior foco no canal institucional (vendas para hospitais públicos e privados e centros de saúde comunitários); alavancar o crescimento (e lucratividade) em sua cadeia de distribuição nacional e na planta integrada de Anápolis; e uma estratégia mais centrada na tecnologia em seu negócio principal (especialmente visitas médicas e investimentos em mídia), enquanto também desenvolve tecnologia e iniciativas como sua plataforma omnicanal de B2B e investimento.

Modelo de negócios inovador e tecnológico

A Hypera aumentou os investimentos em P&D de 3% (em 2016) para 8,6% de suas vendas, alcançando um índice de inovação de 33% (vs. 24% em 2016).

A empresa possui um pipeline de 350 projetos, lançou 90 produtos em 2020, e 24% de sua receita de 2020 veio de 250 produtos lançados nos últimos 3 anos.

O crescimento da receita não deve ocorrer apenas via operações orgânicas, já que a empresa também vê crescimento vindo do recentes fusões e aquisições de Buscopan (onde eles esperam obter benefícios fiscais e sinergias completas no 2T21 e 2022 em diante, respectivamente), Buscofem, portfólio OTC da Takeda e Simple Organic (cosméticos), bem como de novas aquisições no médio prazo.

A Hypera planeja aumentar as vendas no mercado institucional.

Entre as iniciativas digitais estão o lançamento de uma operação de comércio eletrônico B2B (1P e 3P), oferecendo produtos e serviços, e aumentará seu foco em sua estrutura de capital de risco corporativo (Hypera Ventures), que já investiu na Simple Organic e possui 3 processos de due diligence em andamento.

Guidance prevê R$ 5,9 bi em receita da Hypera

A Hypera anunciou seu guidance para 2021: espera atingir R$ 5,9 bilhões de receita líquida (em linha com o BTG e até 44% a/a, beneficiada pela incorporação de Buscopan e da Takeda), EBITDA de R$ 2 bilhões (também em linha conosco) e resultado final de R$ 1,55 bilhão (7% acima do BTG).

A empresa também anunciou que vendeu um centro de distribuição em Goiânia por R$ 231 milhões (1,1% do valor de mercado) para o fundo de logística Newport.

A Hypera espera investir R$ 600 milhões em 2021 (R$ 500 milhões em expansão), um aumento de 44% a/a, com o objetivo de atingir a capacidade de produção de 924 milhões de unidades (+ 14% a/a) e também planeja concluir sua expansão do centro de distribuição no 3T21 (aumento de 50% da capacidade) e planta de estéril no 2T23.

Viés positivo

“Saudamos as novas iniciativas do HYPE (especialmente o pipeline de inovação), que são passos importantes para desenvolver uma operação mais sustentável. Apesar das preocupações sobre a margem vis-à-vis a expansão da receita nos próximos anos, as recentes aquisições do Buscopan e Buscofem, o portfólio de medicamentos OTC e de prescrição da Takeda agregam valor ao nosso modelo e permanecem o alicerce de nossa postura positiva em relação ao nome”, diz o BTG.

Negociando a 15x P/E para 2021, a Hypera é uma opção (junto com varejistas de alimentos) para investidores que buscam exposição a setores com mais resiliência de consumo e varejo no semestre em meio a um ambiente mais volátil.

A recomendação é de compra até R$ 42.