BTG (BPAC11) eleva previsões de ganhos de companhias em 2020 e 2021

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

Desde setembro, quando o BTG publicou a última revisão de resultados para 2021, as perspectivas para o Brasil e a recuperação econômica melhoraram.

“Os dados mais recentes apontam para uma recuperação robusta e intensa que surpreendeu positivamente. Essas melhores perspectivas econômicas levaram nossos analistas a elevar suas projeções de lucros para 2020 (ex-Petrobras e Vale) em 7% em relação à nossa última revisão”, dizem os analistas Carlos Sequeira e Osni Carfi.

O lucro das empresas nacionais cresceu 4,5%, enquanto o faturamento das companhias de commodities caiu apenas 1%.

Pare de desperdiçar tempo e dinheiro na poupança. Aprenda agora como investir R$ 100 mil com segurança e alta performance

Para 2021, as estimativas de lucros das empresas também melhoraram em relação há três meses (+7,8%), principalmente devido às perspectivas muito melhores para as commodities exportadoras.

O BTG atualizou as previsões de crescimento do PIB para 2020. Agora, a expectativa é que o período tenha uma queda de 4,2% a/a e um crescimento de 3,5% em 2021.

Previsão do PIB do Brasil para o BTG

Revisões de alta em vários setores

A expectativa agora é de que os bancos tenham lucros R$ 2,4 bilhões maiores do que o previsto 3 meses atrás.

“Este cenário melhor para os bancos brasileiros levou nossas previsões de provisão da dívida para 2021 para um valor menor, enquanto todos os grandes bancos tiveram seus resultados revisados ​​para cima”, afirmam os analistas.

Na revisão do BTG, 12 dos 18 setores tiveram seus lucros de 2020 revisados ​​para cima contra apenas 7 no relatório anterior.

O setor de metais e mineração teve a maior revisão de lucros de 2021, no valor de R$ 48,2 bilhões desde a última estimativa (R$ 128,6 bilhões vs R$ 81,4 bilhões), refletindo os maiores preços esperados do minério de ferro para o ano (US$ 130/t).

Para o setor de óleo e gás, as revisões foram impulsionadas principalmente pelo aumento no preço do petróleo Brent. Na revisão, 12 dos 18 setores tiveram seus resultados de 2021 revisados para cima vs. apenas 9 três meses atrás.

“Empresas de metal e mineração são o principal impulsionador das revisões de lucros de 2021, seguidas por petróleo e gás e bancos”, diz o BTG.

Estimativa do BTG de contribuição por setor

BTG tem melhores perspectivas para Petrobras (PETR4) e Vale (VALE3)

As empresas tiveram um grande impacto nos lucros em 2020 devido à crise do coronavírus.

As estimativas de ganhos consolidados de Petrobras (PETR4) e Vale (VALE3), por exemplo, ainda está abaixo de 26% a/a em 2020, mas agora o BTG espera uma grande recuperação em 2021 (+ 68% a/a).

Agora os analistas projetam para 2021 lucros consolidados de Petrobras e Vale com crescimento de 24% vs. 2019, em comparação com crescimento de “apenas” 15% na previsão de 3 meses atrás.

A maior parte da recuperação nos ganhos de 2021 reflete melhores perspectivas para os exportadores de commodities.

Para 2020 e 2021, a estimativa é que a Vale apresente ganhos recordes de R$ 58 bilhões e R$ 114 bilhões, respectivamente, em uma combinação de preços de minério de ferro muito altos e uma depreciação do real frente ao dólar.

De acordo com o BTG, grande parte do crescimento do lucro das empresas de commodities está diretamente ligado ao lucro da Vale

Já no caso da Petrobras, a queda dos preços do petróleo, que mesmo após a recuperação recente estão muito abaixo dos níveis pré-pandêmicos, e um enorme valor não monetário de R$ 65 bilhões de impairment contabilizado no 1T20, estão levando os analistas a prever perdas de R$ 45 bilhões em 2020.

O faturamento da Petrobras é muito sensível ao preço do petróleo. Se assumirmos que o preço médio do Brent em 2021 será de US$ 55 (próximo aos níveis atuais), a Petrobras reportaria, conforme as expectativas do BTG, um Ebitda de R$ 181 bilhões (vs. R$ 155 bilhões que estimamos atualmente) e R$ 51 bilhões em ganhos (vs. R$ 34 bilhões que estimamos atualmente).

 

Ganhos em queda no setor financeiro

Por fim, segundo o BTG, o setor financeiro está impedindo um melhor desempenho de empresas nacionais em 2021.

Mas os lucros das empresas domésticas não estão crescendo mais rápido porque, diz o BTG, deve haver um declínio nos ganhos das empresas do setor de serviços financeiros.

“Mesmo que esperemos que os ganhos dos bancos se recuperem em 2021 vs. 2020 (+ R$ 20 bilhões), ainda modelamos ganhos para 2021 em queda de R$ 2 bilhões em relação aos níveis de 2019”.

A projeção é de que alguns setores domésticos relatem grandes melhorias nos ganhos em 2021 em comparação com 2019, principalmente serviços de utilidade pública, com faturamento consolidado de R$ 4,8bi (+ 19%), varejo (+ R$ 3,2 bilhões, + 39%) e bens de capital (+ R$ 2,1 bilhões, + 133%).

“A receita doméstica não está crescendo mais rapidamente por que esperamos uma queda nos ganhos das empresas do setor de serviços financeiros. Se excluirmos os ganhos deste último, então a receita doméstica cresceria 19% na comparação de 2021 vs. 2019. Assim, a expansão será proveniente de setores que esperamos apresentar grandes melhorias de receita em 2021 versus 2019, especialmente serviços públicos, varejo e bens de capital”, dizem os analistas do BTG.

Comparativos de ganhos pro setor do BTG para 2021

Se você quer saber mais sobre investimentos, preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos entrará em contato.