BTG (BPAC11) corta preço-alvo de Enjoei (ENJU3)

Felipe Moreira
Editor na EuQueroInvestir, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional.
1

Crédito: wikipedia

Em relatório, o BTG escreveu que a Enjoei (ENJU3) deve investir em cinco frentes principais para se beneficiar da crescente penetração do vestuário nas vendas de e-commerce (e do crescimento do mercado de secondhand):

  • programa de troca e melhor algoritmo de pesquisa e modelo preditivo;
  • expansão da enjuPro nacionalmente (na qual a Enjoei é responsável por 100% da operação, incluindo curadoria e logística);
  • crescimento no segmento B2C (com as marcas vendendo diretamente na plataforma, ao invés de apenas seu modelo principal P2P), pois a empresa já agregou ao Marketplace novas categorias como pets, cosméticos e móveis;
  • crescimento da carteira digital (Enju-Wallet); e
  • parcerias com transportadoras terceirizadas (reduzindo dependência dos Correios).

De acordo com o banco, as iniciativas visam maior sortimento e melhores níveis de serviço (aumento da fidelidade e frequência). Junto com isso, à medida que a Enjoei acelera os investimentos em marketing para aumentar o reconhecimento da marca, ela visa combinar novos usuários na plataforma com seus consumidores atuais (frequentes) que mostraram melhores cohorts (e taxas de retenção).

Recomendação de compra para Enjoei e preço-alvo de R$ 7,00

Na frente estrutural, o BTG mantém visão positiva sobre a Enjoei, refletindo três pilares: player líder (de nicho) na venda de itens de moda no estilo brechó (principalmente), exposta ao crescimento secular do e-commerce no Brasil e a economia circular com uma abordagem ESG;  ampla variedade e alta frequência/engajamento; e  combinação de milhões de compradores e milhões de vendedores na mesma plataforma, criando um efeito de rede.

O banco reduziu preço-alvo da Enjoei de R$ 21,00 para R$ 7,00.