BTG (BPAC11): Vamos (VAMO3) tem perspectivas de crescimento mais ousadas

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

Ao atualizar o preço teto para a Vamos (VAMO3) em R$ 73 (antes era R$ 45), o BTG (BPAC11) avalia que a empresa tem “perspectivas de crescimento mais ousadas”.

A projeção leva em conta:

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

  • O crescimento da frota mais forte que o esperado, refletindo parcialmente o ousado plano de crescimento de longo prazo divulgado pela empresa (agora estamos assumindo 71k veículos em 2025 contra 43k antes, embora ainda conservadoramente abaixo de sua meta a longo prazo);
  • Seus dados operacionais e financeiros mais recentes.

Segundo o BTG, a mensagem otimista da administração em relação ao seu plano de crescimento para o longo prazo durante o último Simpar Investor Day (realizado em maio) apontou que a empresa entregou em crescimento mais do que prometeu no IPO (algumas já eram visíveis em seus fortes números do primeiro trimestre), levando o BTG a uma postura ainda mais otimista sobre o ativo.

“Assim, estamos aumentando nossas estimativas de receita líquida para 2021 e 2022 em 32% e 29%, o EBITDA 27% e 39% e o lucro líquido 22% e 31%, respectivamente”.

Espaço para continuar superando as promessas de IPO

No final de maio a Vamos anunciou sua meta de aumentar sua frota 6x até 2025, implicando em uma frota total de aproximadamente 100 mil caminhões.

“Embora vejamos isso como bastante otimista, concordamos que a indústria de aluguel de caminhões no Brasil é certamente um oceano azul para a Vamos, com o segmento sendo subpenetrado de todos os ângulos que olhamos”, diz a empresa.

Enquanto isso, a clara liderança da empresa no setor, com seu tamanho mais do que o dobro do player número 2, a coloca em uma boa posição para abordar esta oportunidade de crescimento.

“E ainda por cima, com esta perspectiva de crescimento ousada, também sinalizamos a boa exibição da empresa em termos de produtos inorgânicos de crescimento, tendo anunciado 4 aquisições desde seu IPO”, diz o BTG.

Embora o foco da empresa permaneça no crescimento orgânico dada a oportunidade de crescimento no oceano azul, o BTG espera oportunidades de M& (fusões e aquisições) para continuar ajudando a Vamos a verticalizar sua plataforma de negócios.

Mercado ainda inexplorado

Apesar do forte aumento no preço das ações desde seu IPO (118%), o BTG diz que continua otimista para Vamos.

“Nossa chamada de alta reflete um mercado de oceano azul e oportunidade. A visão da indústria do oceano azul decorre da penetração ainda incipiente do aluguel de caminhões e máquinas no Brasil e a baixa competição até agora”, afirma o BTG.

Por fim, segundo os analistas, os principais “fossos econômicos” da empresa incluem:

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3

  • Condições superiores condições de compra, impulsionadas por sua grande frota e rápido crescimento;
  • Capacidade comercial única, alavancada por sua controladora Simpar Group;
  • Rede de vendas de ativos usados ​​incomparável (= mais poder de precificação).