BTG (BPAC11): Telefônica Vivo (VIVT3) tem 1TRI21 em linha com projeções

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Vivo/Divulgação

Os resultados do balanço do primeiro trimestre de 2021 da Telefônica Vivo (VIVT3) foram em linha com as projeções e “não emocionaram”, de acordo com relatório do BTG Pactual (BPAC11).

A receita de serviço de R$ 10,2 bilhões (-0,4% a/a) estavam um pouco acima do projetado pelo BTG (e de acordo com o consenso).

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, saiba quais são as melhores atitudes e aplicações para multiplicá-lo

As receitas de FTTH (fibra ótica) e pré-pago foram os destaques do trimestre (+ 62% a/a e + 4%, respectivamente).

O EBITDA de R$ 4,5 bilhões veio em linha com o BTG e um pouco abaixo do normal – EBITDA cresceu 0,5% a/a.

A margem EBITDA de 41,1% estava quase em linha a/a e foi pressionada pelo aumento de 11% a/a nas vendas de aparelhos no período do trimestre.

Bons números no pré-pago, mas fracos no pós-pago

Segundo o BTG, a Telefônica Vivo (VIVT3) conseguiu manter a boa tendência observada nos últimos trimestres e reportou mais uma vez um bom crescimento da receita pré-paga (+ 4% a/a).

Já as receitas pós-pagas, por outro lado, que representam 81% do MSR da Vivo, arrastaram os resultados para baixo, caindo 0,6% a/a no trimestre (cresceu 0,9% a/a no 4T20).

O ARPU pós-pago e pré-pago caiu ~ 3% a/a no trimestre e os MSRs foram fixos no ano (+ 0,2% no ano), em comparação com um crescimento de 2,1% no ano no 4T20.

Melhor desempenho desde 2017

“O forte crescimento do FTTH no trimestre desacelerou de maneira importante a receita geral de linhas fixas (queda de 1,4% a / a vs. queda de 7,7% no 4T20) e impulsionou os resultados de telefonia fixa com sua melhor exibição desde 2017”, destaca o BTG.

Mais uma vez, os negócios de banda larga da Telefônica Vivo (VIVT3) baseada em cobre, voz e TV por assinatura DTH tiveram fraco desempenho, com as receitas caindo 24% a/a.

Mas no lado positivo, o negócio FTTH está crescendo (as rotações cresceram 61% a/a no trimestre), atingindo R$ 1 bilhão e apresentando o melhor crescimento anual desde 2018 (quando era menos da metade do atual tamanho).

A Vivo adicionou ~ 600k novos HPs (atingindo 16,3 milhões) e conectou 368k clientes no trimestre (total de 3,7 milhões de clientes FTTH).

Telefônica Vivo (VIVT4): valuation atraente

Além de um modelo de negócios resiliente, forte balanço patrimonial e geração de fluxo de caixa, a Telefônica Vivo (VIVT3) está negociando com avaliações muito atraentes – 4,3x EV / EBITDA 2021E (vs. pares globais em 6x), pagando um dividend yield de 6,4%, diz o BTG.

Assim, a recomendação é de compra até R$ 64.

Planilha de Ativos

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.