BTG (BPAC11): shoppings devem ter trimestre fraco, mas há melhora

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Em relatório, o BTG (BPCA11) escreveu que espera outro trimestre fraco para os shoppings, mas ressalta que as coisas estão melhorando. O relatório foi assinado pelos analistas Gustavo Cambauva, Elvis Credendio e Antonio Martins.

A pandemia do novo coronavírus prejudicou os resultados do terceiro trimestre deste ano, mas setembro foi muito melhor do que julho.

Dessa forma, o BTG espera um trimestre fraco, já que os efeitos da pandemia ainda estão impactando empresas (principalmente shoppings, que ainda não se recuperaram totalmente).

Juliano Custódio. Henrique Bredda. Luiz Barsi. Gustavo Cerbasi.

Estamos Ao Vivo!

Já em relação aos escritórios e os espaços de logística, o banco acredita que os aluguéis / inadimplência voltaram aos níveis normais, mas os investimentos em nova ABL foram adiados por alguns inquilinos.

Assim, a taxa de vacância de escritório não melhorou tanto quanto o BTG esperava antes da Covid-19.

Com base nisso, o banco acredita que o principal destaque positivo da temporada de ganhos do terceiro trimestre no espaço de Malls & Properties deve ser o logístico.

Isso por causa da resiliência dos aluguéis logísticos de imóveis, redução da taxa de vacância e forte pipeline de greenfields.

Shoppings

O BTG reforça que projeta um trimestre fraco para shoppings, já que muitos ativos ainda estavam fechados em julho
(que se normalizou totalmente apenas em agosto, mas ainda com várias restrições no número do horário de funcionamento).

Consequentemente, espera-se uma queda significativa nas vendas mesmas lojas (SSS, na sigla em inglês) e aluguel nas mesmas lojas (SSR), queda de aproximadamente 40% para a maioria das empresas, mas segundo o banco, setembro foi muito melhor com vendas aproximadamente 20% abaixo da pré-Covid.

O banco frisa que as vendas estão melhorando ainda mais em outubro. Em termos de vaga, o BTG espera um leve aumento de 100bps.

Escritórios e galpões apresentam ótimo desempenho, com cobrança normalizada

Diferentemente dos shoppings, os segmentos de escritórios e logística apresentam uma melhora sequencial nos resultados no terceiro trimestre.

Isso porque, os poucos descontos ou diferimentos que foram concedidos no segundo trimestre são agora principalmente removidos e as taxas de vacância e inadimplência não aumentaram.

“Na verdade, para a logística, estamos vendo uma demanda crescente por centros de distribuição (principalmente impulsionada por empresas de comércio eletrônico). No espaço de escritórios, a demanda por novas áreas tem sido mais fraca, já que a maioria das empresas está adiando investimentos”, escreveu o BTG.

Confira as projeções do BTG para empresas do setor no terceiro trimestre

Aliansce Sonae (ALSO3)

O banco espera uma receita líquida de R$ 194 milhões no terceiro trimestre de 2020, queda de 15% na comparação com mesmo período de 2019.

De acordo com o BTG, impactado pelo fraco desempenho de vendas e menor receita de estacionamento

O Ebitda pode totalizar R$ 131 milhões, uma redução de 22% na comparação anual, com margem de 68%.

Já o FFO de ficar em R$ 98 milhões (R $ 0,37 / ação), queda de 1% ajudado por menores despesas com juros.

Administradora de shoppings BR Malls (BRML3)

A receita líquida da BR Malls deve cair 23% no trimestre, atingindo R$ 253 milhões, devido aos impactos da Covid-19.

O Ebitda ajustado pode atingir R$ 167 milhões, recuo de 32%, com margem de 66%.

O FFO de ficar em R$ 113 milhões, uma redução de 41% e lucro líquido de R$ 0,12 por ação, queda de 59%.

Iguatemi (IGTA3)

A iguatemi deve reportar uma receita líquida de R$ 156 milhões, queda de 14%.

O Ebitda ajustado totalizou R$ 95 milhões, redução de 36% na comparação ano a ano, com margem Ebitda de 61%.

Com base nas previsões do BTG, o FFO por ação chegará em R$ 0,38, queda de 31% e o LPA deve ser R $ 0,17.

Multiplan (MULT3)

O faturamento da Multiplan deve atingir R$ 1,1 bilhão, alta de 229%, desde a venda da Diamond Tower por R$ 810 milhões.

Segundo o BTG, a venda mais do que compensará os impactos da Covid-19 em receita dos shoppings.

O Ebitda ajustado pode totalizar R$ 778 milhões, um aumento 231% no terceiro trimestre de 2020.

O FFO / ação (que exclui os ganhos na Diamond Tower) pode chegar a R$ 0,24 / ação (-20%).

BR Properties (BRPR3)

A receita líquida pode atingir R$ 79 milhões no trimestre, recuo de 17%.

De acordo com o BTG, o desempenho foi impulsionado por maior vacância e vendas de ativos no período. Em uma base trimestral, espera-se uma pequena recuperação (vacância menor e menor postergação de aluguéis).

Com base nas estimativas do BTG, o Ebitda ajustado pode atingir R$ 58 milhões (-15% a / a), com margem de 73%.

FFO pode chegar a R $ 0,10 / ação (108% a / a).

CCP (CCPR3)

O BTG projeta uma receita líquida de R$ 114 milhões no terceiro trimestre deste ano, alta de 28% na comparação com igual período do ano passado.

Conforme o BTG, o resultado foi impulsionado pela venda do escritório do Corporate Park edifício no trimestre.

O Ebtida ajustado deve atingir de R$ 61 milhões (+ 3% a / a), com um margem de 53%.

FFO (que não inclui o ativo “único” venda) pode totalizar R$ 21 milhões (R$ 0,13 / ação), -22% a / a.

São Carlos (SCAR3)

O faturamento da São Carlos pode chegar a R$ 65 milhões (+ 5% a/a).

Isso porque, segundo o BTG, a empresa não foi fortemente afetada por Covid-19 em termos de resultados de curto prazo (vaga permanece sob controle e os aluguéis estão sendo coletados).

Ebtida ajustado pode atingir R$ 48 milhões, incremento de 2%, com um margem de 74%.

De acordo com projeções do BTG, FFO pode totalizar R$ 25 milhões (R$ 0,44 / ação).

LOG Commercial Properties (LOGG3)

A receita líquida deve atingir R$ 36 milhões, um aumento de 11% no terceiro trimestre em relação ao mesmo trimestre de 2019.

Conforme o BTG, a LOG não foi fortemente afetada pela Covid-19.

O Ebitda ajustado pode chegar R$ 27 milhões (+9%), com margem Ebitda de 76%.

Pelas projeções do BTG, FFO pode chegar a R$ 23 milhões (+ 10% a/a) e LPA será de R $ 0,23.