BTG (BPAC11): Setor educacional deverá reportar 3TRI21 ainda frágil

Osni Alves
Jornalista desde 2007. Passou por redações e empresas de comunicação em SC, RJ e MG. E-mail: oalvesj@gmail.com.
1

O setor educacional deverá reportar um terceiro trimestre ainda frágil, segundo o BTG Pactual (BPAC11) em relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com o banco de investimentos, o fator “pandemia do novo coronavírus” ainda incide na operação das companhias de educação. Mesmo elas já tendo superado esse empecilho com auxílio da digitalização.

Inclusive, segundo o BTG, alguns executivos transmitem otimismo. Porém, a questão é que muito provavelmente a recuperação do setor não se dará em “V”, que é quando um segmento cai abruptamente, mas se recupera rapidamente.

BTG (BPAC11): otimismo seletivo

Conforme o relatório, assinado pelos analistas Samuel Alves, Yan Cesquim, Bruno Lima, e Marcel Zambello, o primeiro trimestre do ano é o maior. Enquanto o terceiro representa geralmente 35% das admissões de ano inteiro.

“Após dois ciclos difíceis de admissão devido à Covid-19 (3TRI20 e 1TRI21), principalmente no presencial, esperamos melhores captações desta vez. Em reuniões recentes, algumas empresas expressaram otimismo. Elas dizem que suas captações deveriam apresentar um ponto de inflexão”, diz um trecho do relatório.

Retorno gradual ajuda

“Entretanto, ainda esperamos que os resultados do terceiro trimestre sejam frágeis, prejudicados por uma base de alunos cada vez menor no presencial, refletindo evasão recorde e baixa captação nos últimos ciclos”, completa.

E apontaram um OPEX (capital utilizado) mais alto. Isto ocorre, em grande parte, devido a despesas de marketing e custos com o corpo docente mais altos. Graças ao retorno gradual das aulas presenciais voltam lentamente.

“Com perspectivas ainda incertas, continuamos apenas seletivamente otimistas e nossas únicas recomendações de compra são Vitru, Anima e Cruzeiro do Sul”, explicaram.

Cogna

Em relação à Cogna (COGN3), o BTG destacou que o fraco momento de lucros deve persistir no terceiro trimestre. “Estimamos outro trimestre de resultados fracos, em 12 de novembro, enquanto a receita deve ser atingida pela fraca dinâmica presencial da Kroton devido à pressão de margem com o retorno das aulas no presencial aumentando os custos.

  • Data da divulgação: 12 de novembro
  • Preço-alvo: R$ 3,50
  • Recomendação: Neutro

Sobre a Vasta, o banco de investimentos elencou o baixo reconhecimento de ACV (Avaliação do Ciclo de Vida) novamente gerando EBITDA negativo.

“A receita deve cair 8% a.a, para R$ 1,15 bilhão (Kroton R$ 664 milhões; Vasta R$ 131 milhões; Saber R$ 149 milhões; Platos R$ 29 milhões; outros R$ 183 milhões), com EBITDA consolidado ajustado caindo 6% a.a, e 35% t/t para R$ 216 milhões (margem de 19%, -6,5 pontos base t/t), prejudicado pelas provisões da Vasta, maiores despesas de vendas e maiores custos com o corpo docente”, disse.

E acrescentou que as maiores despesas financeiras ocorrem devido ao recente aumento nas taxas de juros e a depreciação parece definida para garantir uma perda líquida de R$ 139 milhões, mostrando a difícil dinâmica dos lucros.

Arco (Arce US)

O BTG diz esperar resultados abaixo da média novamente no terceiro trimestre, além disso, sazonalmente, esse é um trimestre mais fraco t/t.

“Também prevemos margens e receitas menores. No conjunto, vemos receitas líquidas de R$ 194 milhões (queda de 7% frente ao ano passado). Esperamos 16,7% do consolidado do ACV em 2021 a serem reconhecido no terceiro trimestre, em linha com as orientações fornecidas no último trimestre”, aponta o documento.

“O EBITDA ajustado deve ficar em R$ 30 milhões (-48% a/a), implicando em uma margem EBITDA ajustada de 15,4% (-12,2 pontos base a / a), pressionado por uma alavancagem operacional mais fraca”, ressaltou.

  • Preço-alvo: US$ 29,00
  • Recomendação: Neutro

Também estima uma perda líquida contábil de R$ 18 milhões. E um lucro líquido ajustado de R$ 17 milhões, ante lucro líquido ajustado do ano passado de R$ 39 milhões.

Projeções

Sobre a ANIMA (ANIM3), provavelmente haverá um trimestre decente nas mesmas bases de comparação.

  • Data da divulgação: 16 de novembro
  • Preço-alvo: R$ 15,00
  • Recomendação: Compra
  • Receita líquida de R$ 795 milhões.
  • EBITDA ajustado de R$ 225 milhões (margem de 28,3%, estagnação a / a com despesas de marketing maiores).
  • Lucro líquido de R$ 24 milhões (margem de 3% vs 5,6% no ano passado), afetado por maior nível de depreciação e efeitos da inflação nos contratos de leasing.

Já acerca da AFYA (AFYA US), haverá uma pequena sazonalidade na Afya digital.

  • Data da divulgação: 23 de novembro
  • Preço-alvo: US$ 29,00
  • Recomendação: Neutro
  • Receitas líquidas de R$ 417 milhões (+ 35% a / a, ajudado por aquisições recentes, mas impactado pelo reconhecimento de receita da Medcel).
  • EBITDA ajustado de R$ 165 milhões (+ 10% a / a, com margem de 39,5% vs 48,2% no 3T20, pressionado pela aquisição da Unigranrio).
  • Lucro Líquido de R$ 81 milhões (-30% a / a devido a piores resultados financeiros).

Quanto à Cruzeiro do Sul (CSED3), o BTG elenca crescimento no presencial e Ensino a Distância (EaD), porém, com margens decepcionantes.

  • Data da divulgação: 16 de novembro
  • Preço-alvo: R$ 18,00
  • Recomendação: Compra
  • Receita líquida de R$ 436 milhões (estável a / a).
  • EBITDA ajustado de R$ 132 milhões (-16% a / a em maiores despesas com vendas, levando a margem de 30,2%, -6,4 pontos base a / a; +2,4 pontos base t / t).

Em relação à SER (SEER3), o banco de investimentos elenca ciclo de captação consistente.

  • Data da divulgação: 12 de novembro
  • Preço-alvo: R$ 19,00
  • Recomendação: Neutro
  • Receita de R$ 312 milhões (alta de 16% a / a), impulsionada por um ciclo consistente de captação para o 2S21.
  • EBITDA ajustado (sem IFRS16) em R$ 63 milhões (alta de 15% com relação ao ano passado), com uma margem de 20,3%. Sendo estável no comparativo com o ano anterior, apesar de maiores despesas de vendas
  • Lucro líquido ajustado de R$ 13 milhões, ante prejuízo líquido de R$ 1 milhão no 3TRI20.

Para a Vitru (VTRU US), provavelmente a companhia registrará resultados sólidos no período.

  • Preço-alvo: US$ 19,00
  • Recomendação: Compra
  • Lucro líquido ajustado de R$ 8 milhões, queda de 19%. Devido a piores resultados financeiros (-R$ 12 milhões vs R$ 3 milhões no ano passado).

Por fim, a Yduqs (YDUQ3) vai mostrar uma captação positiva compensada por margens piores.

  • Data da divulgação: 08/novembro
  • Preço-alvo: R$ 28,00
  • Recomendação: Neutro
  • Receita líquida de R$ 1,07 bilhão (+ 10% a / a).
  • EBITDA ajustado de R$ 401 milhões (estável com relação ao ano anterior). Devido as maiores despesas com vendas, com margem de 37,4% (-3,4 pontos base a / a).
  • Lucro líquido ajustado de R$ 96 milhões, -46% a / a. Devido as maiores despesas de depreciação (+ 37% a / a). Além de maiores despesas financeiras (+ 35% t / t), impactadas pelo aumento das taxas de juros.